No cenário complexo e dinâmico do setor bancário, os resultados do Banco do Brasil (BBAS3) foram interessantes com um alto lucro líquido, superando os números do ano passado e alcançando resultados recordes que ultrapassam R$ 26,1 bilhões nos primeiros nove meses do ano, contribuindo para a distribuição de dividendos.

Diante desta notícia, este texto visa fornecer uma análise minuciosa dessa instituição, focalizando seu desempenho recente e os proventos distribuídos aos acionistas, especialmente no que diz respeito aos dividendos. 

Para compreender integralmente o panorama atual, exploraremos os resultados financeiros mais recentes do Banco do Brasil, destacando como esses indicadores impactam diretamente na remuneração dos investidores que confiam na solidez e na trajetória da instituição no mercado.

Banco do Brasil: resultados financeiros em 2023

No primeiro semestre de 2023, o Banco do Brasil registrou um lucro líquido ajustado recorde de R$ 17,3 bilhões, marcando um crescimento notável de 19,5% em relação ao mesmo período de 2022. O retorno sobre o patrimônio líquido (RSPL) atingiu a marca de 21,4%, e o valor adicionado à sociedade ultrapassou os R$ 42,9 bilhões.

O índice de capital principal do Banco do Brasil encerrou junho em 12,21%. No específico contexto do segundo trimestre de 2023, o lucro líquido ajustado atingiu R$ 8,8 bilhões, representando um aumento de 11,7% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior e um acréscimo de 2,8% em relação ao trimestre imediatamente anterior.

O desempenho semestral foi impulsionado pelo crescimento expressivo da margem financeira bruta, que apresentou um incremento de 36%. Esse resultado foi derivado do desempenho positivo da carteira de crédito e dos títulos e valores mobiliários alocados em tesouraria. As receitas provenientes de prestação de serviços também registraram um aumento de 6,8%, com destaque para os segmentos comerciais, como consórcios e seguros.

Entretanto, vale ressaltar que houve um aumento significativo nas despesas de PCLD ampliada, que cresceram expressivamente (+128,8%), assim como nas despesas administrativas (+7,4%). Este último aumento está alinhado com o aumento do quadro de funcionários, conforme acordado no último acordo coletivo, que registrou um incremento de 8%.

Valor saltou R$ 8,8 bilhões no 9M23

Levando em consideração os primeiros nove meses do ano, esse valor saltou para R$ 26,1 bilhões, um aumento de 14% em relação ao mesmo período do ano passado. Isso representa um RSPL de mais de 21%. Com isso, o valor ajustado aumentou R$ 8,8 bilhões, 4,5% superior ao mesmo período do ano passado.

Esse resultado é consequência do crescimento de 30,4% da margem financeira bruta, principalmente pelos bons resultados da carteira de crédito e dos títulos e valores mobiliários alocados na tesouraria. Com relação às prestações de serviços, as receitas aumentaram 5%.

Dividendos distribuídos pelo Banco do Brasil (BBSA3)

Em 2023, o Banco do Brasil (BBSA3) distribuiu ao seu acionistas dividendos em quatro oportunidades, sendo a última paga no dia 30 de novembro no valor de R$ 2,25 bilhões, com Os valores equivalentes a R$ 0,102 por ação em dividendos, e a R$ 0,686 por ativo na forma de JCP (com aplicação de alíquota de 15%).

Desse montante total, o Banco do Brasil, diante do seu resultado ao longo do período, distribuiu ainda em setembro, de maneira antecipada aos seus acionistas, o valor de R$ 953,724 milhões  em JCP.

É esperado no final de dezembro mais um pagamento aos seus acionistas, esse fazendo referência aos seus resultados no último trimestre de 2023. No entanto, o pagamento complementar deve ser feito apenas no final de fevereiro de 2024, fechando toda a distribuição dos dividendos da dividendos BBAS3 em 2023.

Esses pagamentos foram todos anunciados em fevereiro, mês em que o Conselho de Administração (CA) do banco aprovou a distribuição de 40% do lucro líquido como remuneração aos acionistas no exercício de 2023. Essa remuneração será realizada por meio de juros sobre o capital próprio (JCP) e/ou dividendos. Com base na estimativa da empresa de um lucro entre R$33 bilhões e R$37 bilhões para o ano, essa decisão implica que o montante distribuído aos acionistas pode atingir até R$14 bilhões.

O que esperar dos resultados da BBAS3 em 2024

A grande novidade das ações do Banco do Brasil foram anunciadas no início de dezembro de 2023, na qual suas ações serão desdobradas com o objetivo de atrair investidor pessoa física. Esse desdobramento ampliará a quantidade de ações emitidas sem diluir acionistas.

A proposta foi levada para a Assembleia Geral de Acionistas e caso aprovada, será atribuída uma nova ação para cada uma ação já emitida. Esse movimento, de acordo com vice-presidente de gestão financeira e relações com investidores do Banco do Brasil, Geovanne Tobias, se justifica pelo alto crescimento no valor das ações do BB neste ano.

Esse movimento deverá ser positivo, pois com um valor mais baixo, deve-se aumentar a quantidade de investidores. Com isso, é de esperar que 2024 o Banco do Brasil tenha a perspectiva de um excelente resultado. 

Além disso, a empresa também deverá intensificar suas ações envolvendo a sustentabilidade, algo sempre muito bem visto pelo mercado. Ao todo, são 12 compromissos que ampliam as metas e objetivos alinhados aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU). Portanto, a expectativa tende a ser positiva para os próximos anos.

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.