A Petrobras anunciou, no início da semana, um corte nos preços da gasolina nas refinarias. De acordo com um estudo realizado pela consultoria MacroSector, a redução resultará em uma queda de 7,1% no preço ao consumidor do combustível a partir de junho, e o valor médio da gasolina no país deverá ser de R$ 4,80 por litro.

No mesmo relatório, os economistas consultados também estimam uma diminuição de 6,5% nos preços do diesel para os consumidores, ficando em uma média de R$ 4,86 por litro.

Sérgio Araújo, presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), ressalta que as estimativas de redução no preço por litro podem variar de acordo com cada revendedor, havendo diferenças em cada posto, assim como a data de início da aplicação dos novos valores. Ele afirma que o preço é determinado livremente e o mercado é altamente competitivo. Não realizar reduções implica em risco de perda de vendas.

A expectativa da Abicom é que o preço da gasolina ao consumidor caia em média R$ 0,29 por litro. Já o preço do diesel deve ter uma queda de R$ 0,39 por litro.

Em comunicado, a Petrobras informou que irá substituir a atual política de reajuste de preços dos combustíveis, que considera a paridade de preço internacional (PPI), por um novo sistema que leva em conta também o mercado local.

Gasolina e a queda da inflação

A queda anunciada no custo da gasolina conteria o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA, medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 0,40 ponto porcentual, 0,20 ponto porcentual a menos em maio e 0,20 ponto porcentual a menos em junho.

Os cortes nos preços dos combustíveis anunciados pela Petrobras nas refinarias devem reduzir em cerca de 0,6 ponto percentual a inflação oficial do país entre os meses de maio e junho, de acordo com cálculos de André Braz, coordenador dos Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.