A XP Investimentos retomou a cobertura das ações da Boa Safra (SOJA3) após o follow-on de R$ 300 milhões da companhia, cujos recursos foram destinados principalmente aos planos de expansão da empresa, alinhados com as estimativas da corretora.

A corretora manteve suas premissas de crescimento, mas elevou a projeção de lucro líquido para 2024 em 14%, passando de R$ 218 milhões para R$ 248 milhões, refletindo resultados financeiros mais fortes do que o esperado no primeiro trimestre de 2024.

Entretanto, as projeções de lucro líquido para 2025 e 2026 foram reduzidas em 5% e 2%, respectivamente, devido às taxas de juros mais elevadas.

Mesmo em um cenário de ciclo mais fraco para o agronegócio, a XP reforça sua confiança na tese de investimento e recomenda a compra da ação, com preço-alvo de R$ 20,90 e potencial de alta de 28%.

Segundo a XP, a Boa Safra apresenta uma combinação atrativa de:

  • Possibilidades robustas de crescimento com um CAGR de EBITDA de 23% para 2023-2025;
  • Valuation atrativo, negociada a 8,9x e 7,8x P/L para 2024 e 2025, respectivamente;
  • Posição de liderança em participação de mercado além de uma exposição não cíclica ao agro;
  • Fortes retornos, com um ROIC médio de 23,6%.

Do ponto de vista dos produtores de grãos, a XP projeta que a lucratividade deve permanecer fraca devido à queda nos preços dos cereais.

No que diz respeito aos serviços agrícolas, os analistas Leonardo Alencar e Pedro Fonseca expressam preocupações com os riscos de cobrança e possíveis atrasos nos recebimentos. “Esperamos uma menor adoção de tecnologias devido à compressão das margens”, afirmam.

Contudo, apesar dessas perspectivas desafiadoras, os analistas acreditam que a liderança da Boa Safra em participação de mercado e sua exposição não cíclica ao setor agrícola proporcionam um posicionamento único na indústria de agronegócios.

“Como temos destacado, as sementes de soja têm demonstrado grande resiliência, mantendo preços sustentados apesar da queda nos preços das matérias-primas. Além disso, as sementes de alta tecnologia têm ganhado participação nas vendas totais”, explicam os analistas.

Eles apontam que o uso estratégico dos recursos do follow-on para acelerar o crescimento fortalecerá ainda mais as vantagens competitivas da empresa.

“A escala é fundamental no negócio de sementes de soja, permitindo que a Boa Safra expanda sua participação de mercado de 5,7% em 2020 para uma expectativa de 11,4% em 2025. Ademais, a Boa Safra pode acelerar o crescimento por meio de fusões e aquisições, uma vez que os múltiplos atuais (~6,0x EV/EBITDA) estão bem abaixo do pico recente de 10,0x”, concluem.

Gabryella Mendes

Redatora do Melhor Investimento.