Conforme relatado pelo jornal Valor Econômico, a Vale (VALE3) planeja concluir a venda de sua unidade de metais básicos até o final de setembro deste ano, depois de ter anunciado suas intenções em outubro de 2022. O Fundo de Investimento Público (PIF) da Arábia Saudita é esperado como comprador, oferecendo US$ 2,5 bilhões por 10% do negócio.

Outras partes interessadas incluem a General Motors, a empresa japonesa Mitsui, o fundo QPP do Canadá e o QIA do Qatar. No entanto, a Vale não mencionou diretamente nenhum desses nomes, limitando-se a afirmar que está buscando ativamente uma parceria para sua divisão de Metais para Transição Energética.

Recentemente, a mineradora se pronunciou após a divulgação de rumores sobre a venda bilionária de sua participação, mas não confirmou o valor do investimento nem as partes envolvidas.

Ao longo dos últimos meses, a Vale tem dedicado esforços à unidade e, em maio, confirmou sua busca por um parceiro estratégico. Em abril, Emily Olson foi nomeada como líder da Diretoria de Sustentabilidade e Assuntos Corporativos do negócio de Metais de Transição Energética dentro da governança da empresa.

No ano passado, a Vale também contratou consultores para avaliar o negócio e procurar um parceiro estratégico no setor de cobre e níquel, conhecidos como “metais verdes” devido à sua importância na transição energética.

A Vale afirma que todas essas ações estratégicas foram tomadas nos últimos 18 meses para posicionar a Vale Metais Básicos e acelerar seus planos de crescimento no Brasil, Canadá e Indonésia, fornecendo minerais críticos necessários para a transição energética.

Oferta pública de ações Vale

Durante a conferência, o tema discutido, que já havia sido abordado pela empresa nos últimos meses, ocupou um lugar central após a divulgação dos resultados do primeiro trimestre.

Na ocasião, o CEO, Eduardo Bartolomeo, mencionou que a empresa estava considerando várias opções, sendo uma delas a realização de uma oferta pública de ações (IPO), porém não era a única possibilidade.

Ele afirmou: “É um evento que nos proporcionaria liquidez, mas nosso objetivo é explorar diferentes alternativas, e o IPO não é a única escolha que temos disponível.”

Bartolomeo acrescentou: “Planejamos um crescimento orgânico e também estamos avaliando a possibilidade de fusões e aquisições além dos ativos que já temos no setor de metais de transição energética. Essa indústria está se consolidando, e estamos empenhados em criar uma entidade adequada para executar esse processo com cautela e disciplina.”

Seguindo essa estratégia, a Vale nomeou Mark Cutifani, ex-CEO da Anglo American, como presidente do recém-formado Conselho de Administração da divisão de metais de transição energética.

Além disso, em fevereiro, a Vale também anunciou a entrada de Jerome Guillen na equipe de metais básicos. Guillen, que fazia parte da liderança da divisão automotiva da Tesla (TSLA34) e tinha proximidade com Elon Musk, agora desempenha um papel importante nessa operação.

Veja também:
Follow on: como funciona a oferta subsequente de ações?

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.