A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) alcançou um marco crucial ao decidir estender as restrições coletivas na produção de petróleo até o ano de 2025. Este acordo vai além do que era esperado, superando o acordo provisório que inicialmente previa cortes apenas até setembro deste ano. Esta decisão tem implicações profundas não apenas para o mercado de petróleo, mas também para os países membros da Opep+ e para a economia global como um todo.

No momento, os cortes na produção de petróleo totalizam 3,66 milhões de barris por dia. Além disso, houve uma permissão para que os Emirados Árabes aumentem sua produção em 300 mil barris por dia até setembro do próximo ano, o que pode impactar significativamente o equilíbrio entre oferta e demanda no mercado global de petróleo. Há também discussões em curso sobre a possível extensão dos cortes voluntários até 2025, o que pode moldar ainda mais o cenário da indústria petrolífera nos próximos anos.

Os cortes voluntários, inicialmente programados para terminar em 2024, representam cerca de 2,2 milhões de barris por dia. Este compromisso inclui um corte significativo na produção da Arábia Saudita, o principal produtor, que reduziu sua produção em um milhão de barris por dia desde julho do ano anterior. A contribuição da Arábia Saudita desempenha um papel crucial na estabilidade dos preços do petróleo e na gestão da oferta global.

Julia Peres

Redatora do Melhor Investimento.