A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) decidiu suspender na última segunda-feira (29), as vendas de pacotes flexíveis da Hurb (que não têm uma data fixa para viagem), após o governo iniciar uma investigação devido ao aumento significativo de reclamações dos clientes da plataforma. Foi concedido à empresa um prazo de 20 dias úteis para fornecer informações sobre a situação, período este que expira nesta quarta-feira (31).

No final de abril, a Senacon iniciou um processo administrativo e, posteriormente, emitiu uma medida cautelar contra o Hurb, concedendo um prazo de 48 horas para a empresa comprovar sua capacidade de cumprir os pacotes de viagens vendidos em seu site.

A medida cautelar exigia que a empresa prestasse esclarecimentos sobre sua situação financeira, além de apresentar um plano para garantir a execução dos novos contratos de pacotes de viagens. A investigação em curso pode resultar em multas de até R$ 13 milhões e até mesmo na suspensão das atividades da empresa.

Em comunicado, o secretário Nacional do Consumidor, Wadih Damous, afirmou que a suspensão continuará em vigor até que o Hurb apresente um plano concreto para resolver os contratos em andamento e comprove que as falhas identificadas foram corrigidas.

A empresa também está sujeita a uma multa diária de R$ 50 mil caso não cumpra as exigências estabelecidas pela Senacon, além de outras sanções administrativas previstas no Código de Defesa do Consumidor. Damous afirmou que o Hurb deverá demonstrar que está cumprindo os contratos e possui condições financeiras para celebrar novos contratos.

Layoff

Em meio a polêmica, o Hurb (ex-Hotel Urbano) demitiu, nesta terça-feira (30), 40% do quadro de funcionários, o que seria equivalente a 400 pessoas, conforme relatos dos colaboradores. O site de viagens não confirmou o número de impactados “em respeito às pessoas”, mas disse que o corte é uma resposta ao momento desafiador que vem atravessando.

Mesmo após a suspensão, a Hurb mantém venda de pacotes flexíveis

A restrição foi anunciada na noite de segunda-feira (29) pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), órgão vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). Segundo o órgão, o objetivo é proteger os consumidores e “garantir a resolução dos problemas antes que novas vendas sejam realizadas”.

Entretanto, mesmo após o governo federal suspender temporariamente a comercialização do produto, devido a “irregularidades encontradas nas práticas comerciais da companhia”, a Hurb mantém a oferta dos pacotes flexíveis em seu site.

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.