Nesta segunda-feira (12), a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, afirmou que a equipe econômica do governo federal fez seu “dever de casa” e estabeleceu as condições necessárias para um corte de juros em agosto por parte do Banco Central. Em entrevista a jornalistas, ela mencionou que estão sendo fornecidos todos os elementos e condições para que o BC e o Copom possam considerar uma queda dos juros a partir de agora.

Tebet citou a aprovação do arcabouço fiscal na Câmara dos Deputados e o progresso na tramitação da reforma tributária como alguns dos fatores que justificam o otimismo do Conselhão.

Tebet fala sobre a reforma tributária

A ministra também expressou sua convicção de que a reforma tributária será aprovada ainda neste ano, destacando a substituição de tributos federais, estaduais e municipais pelo Imposto sobre Valor Agregado (IVA) como medida-chave para impulsionar o crescimento do Brasil. Ela acredita que a reforma tem potencial para ser aprovada até 31 de dezembro, conforme mencionou após a reunião do CDESS em São Paulo.

De acordo com Tebet, o governo projeta a aprovação da reforma pela Câmara dos Deputados no primeiro semestre, seguida pela análise do Senado na segunda metade do ano. Ela enfatizou que as discussões já conduzidas no Senado sobre os textos que serão avaliados na Câmara devem agilizar o processo.

A ministra ressaltou que o Senado está familiarizado com grande parte da reforma que será discutida na Câmara dos Deputados, facilitando sua tramitação. Ela afirmou que, ao simplificar o sistema tributário e evitar a cobrança cumulativa de impostos em setores como o de serviços, a reforma poderá impulsionar o crescimento médio anual do Brasil acima de 1% pela primeira vez em 30 anos.

Enfatizando a importância da reforma tributária, destacou que “é a única solução efetiva e crucial para impulsionar o crescimento a longo prazo, enquanto reconheceu que o arcabouço fiscal também é fundamental para equilibrar as contas públicas e precisa da aprovação do Senado.”

Veja também:
Decisão do STF pode retirar R$ 115 bi do Santander (SANB11)

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.