A Ambev obteve um lucro líquido consolidado de R$ 3,819 bilhões no primeiro trimestre de 2023, indicando um aumento de 8,2% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Além disso, o Ebitda ajustado (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 6,444 bilhões, apresentando um crescimento de 16,7% no conceito “reportado” e de 39,9% no conceito “orgânico”. 

A receita líquida foi de R$ 20,531 bilhões entre janeiro e março, alta de 11,3% no conceito reportado e de 26,5% no orgânico, ambos ante igual etapa do ano anterior. O resultado financeiro ficou negativo em R$ 997,9 milhões no trimestre, uma redução de R$ 401,2 milhões em relação ao mesmo intervalo de 2022.

No comunicado de divulgação dos resultados, a empresa ressalta que o Brasil liderou o desempenho do trimestre. De acordo com a empresa, o desempenho foi impulsionado pela execução comercial durante o primeiro Carnaval completo após a pandemia e pela adoção de marcas mais saudáveis, superando um forte primeiro trimestre de 2022, quando a obrigatoriedade do uso de máscaras foi suspensa no país.

O volume comercial no Brasil cresceu 2,5% (+0,8% em Cerveja e +7,3% em bebidas não alcoólicas) e a participação de mercado ficou estável em ambos os negócios, de acordo com as estimativas da empresa. 

Volume internacional 

Segundo a empresa, o crescimento no Brasil (NAB +7,3% e Cerveja +0,8%) e no Canadá (+5,0%) foi mais do que compensado pela América Latina Sul (LAS) (- 7,8%), impactada por um ambiente macroeconômico desafiador, e pela América Central e Caribe (CAC) (-5,0%), apesar da recuperação sequencial na República Dominicana.

“Quanto às operações internacionais, nosso desempenho melhorou apesar de os ambientes macroeconômicos desafiadores que enfrentamos em vários mercados da América Latina terem impactado o volume (-7,8% em LAS e -5,0% em CAC), enquanto no Canadá o volume cresceu (+5,0%)”, destaca a companhia através do comunicado. O volume total diminuiu 0,04% no primeiro trimestre.

Veja também:

Carrefour (CRFB3) registra prejuízo de R$ 113 mi no 1T23; ações despencam

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.