Você sabe o que é Ethereum?  Em suma, pode-se dizer que essa tecnologia, talvez, represente um dos maiores símbolos da nova era da Web, uma vez que desafia as normas estabelecidas do mundo dos negócios digitais. 

Enquanto o Bitcoin abriu caminho como a primeira criptomoeda descentralizada, demonstrando a viabilidade de transferir valores sem a necessidade de intermediários, como bancos. Por outro lado, a Ethereum vai além e pavimenta outra nova estrada, mostrando que é possível descentralizar toda a internet.

Neste artigo, o Melhor Investimento elaborou um breve guia para aqueles que desejam se inteirar nesse universo das finanças descentralizadas impulsionado pela Ethereum. 

O que é Ethereum?

Criada em 2015 pelo programador Russo-Canadense Vitalik Buterin, a Ethereum expandiu as possibilidades do blockchain além de simples transações financeiras. 

Tal qual o Bitcoin, a Ethereum possibilita a transferência de criptomoedas entre indivíduos sem a intervenção de um intermediário centralizado. No entanto, sua tecnologia vai além, pois serve essencialmente como uma plataforma de blockchain descentralizada que possibilita a criação e execução de contratos inteligentes, além do desenvolvimento de aplicativos descentralizados (DApps).

Vale ressaltar que a Ethereum, conforme a conhecemos atualmente, surgiu de um tipo de evento conhecido como Hard Fork. De modo breve, sua rede no ano de 2016, sofreu uma divisão por conta de um ataque Hacker. 

Assim, o projeto original foi chamado de Ethereum Classic, enquanto a nova moeda manteve o nome Ethereum. Esta última se tornou mais popular e recebeu mais apoio da comunidade, valorizando-se mais que o projeto original.

A moeda nativa da Ethereum é chamada Ether (ETH), que representa basicamente o “combustível” de todo sistema. Nesta linha, ela é usada para pagar pelos serviços e recursos da rede, além de ser utilizada como incentivo para os participantes da rede executarem e validarem transações, processo que é atualmente realizado por meio de mineração. 

Como fazer mineração de Ethereum?

Mineração é o processo voltado para validação e registro de transações em uma blockchain. O método tradicional que foi utilizado pela Ethereum durante seus primeiros 7 anos é o conhecido “Proof of Work” (PoW), que em português pode ser entendido como “prova de trabalho”. 

Nesse processo, os mineradores utilizam poder computacional para resolver problemas matemáticos complexos que validam e garantem a segurança das transações na rede. Tais problemas matemáticos são resolvidos para adicionar novos blocos à blockchain, que é um registro público de todas as transações já realizadas na rede. C

Cada bloco contém um conjunto de transações recentes, e para que um bloco seja adicionado à blockchain, é necessário resolver um problema criptográfico, justamente chamado de proof of work ou prova de trabalho.

Contudo, em setembro de 2022, o sistema de validação da Ethereum passou por uma significativa mudança, saindo do tradicional Proof of Work para adotar o chamado Proof of Stake (PoS) ou prova de participação. 

De forma geral, essa transição para o PoS, visa reduzir o expressivo consumo de energia associado à mineração do método PoW.  

O que mudou? 

Em resumo, no novo modelo de validação, ao invés de minerar a criptomoeda por poder computacional, as transações e movimentações são validadas na Blockchain por usuários que mantêm a criptomoeda guardada em contratos inteligentes.

No Proof of Stake, os participantes ou validadores da rede são selecionados aleatoriamente para criar e validar novos blocos. Eles devem manter um depósito em moedas ETH como garantia de sua honestidade e desempenho na rede.

Em suma, os validadores são usuários da blockchain que optam por travar uma parte de seu saldo de criptomoeda como garantia para serem selecionados para validar transações. Ao realizar essa ação, eles são qualificados para receber recompensas em Ether como incentivo por ajudarem a manter a segurança e a operação contínua da rede. 

Em meio a este contexto, é importante enfatizar que não é mais possível utilizar máquinas de mineração com Ethereum. No entanto, não há motivos para alardes para quem opera com o Proof of Work, visto que diversas criptomoedas ainda utilizam esse modelo, incluindo a famigerada Bitcoin. 

Cotação ETH hoje e onde comprar

Conforme dados da Coinbase, registrou um crescimento de cerca de 98% ao longo de um ano, abrangendo o período de abril de 2023 até o final de março de 2024. Veja o gráfico com o desempenho anual da moeda:

Ethereum
Fonte: Coinbase

Ainda segundo a Coinbase, durante o período de análise mensal, que compreendeu do dia 1º de março ao dia 1º de abril de 2024, a criptomoeda Ethereum experimentou um aumento de 3,39% em seu valor. No entanto, na madrugada desta quinta-feira (01), houve uma queda de 0,31% no valor da ETH. Mais tarde, às 13:20, essa queda se aprofundou para −3,76%.

Essas flutuações no preço da Ethereum é algo considerado comum pelos especialistas, em virtude da volatilidade inerente ao mercado de criptomoedas. 

Para adquirir Ethereum e outras criptomoedas disponíveis no mercado, é preciso possuir uma conta em uma exchange, que são corretoras especializadas nesse segmento. No Brasil, exemplos conhecidos incluem a Binance e a NovaDAX.

Vale a pena investir em Ethereum?

Ao lado do Bitcoin, para muitos, a Ethereum hoje se consagra como um dos pilares do mercado de criptomoedas. Em razão deste aspecto, muitos investidores têm demonstrado interesse no ativo. Em suma, a moeda pode representar uma boa alternativa para quem busca diversificar a carteira, aplicando em renda variável. 

Contudo, é de suma importância destacar que a decisão de investir em Ethereum, ou em qualquer ativo financeiro, é altamente dependente do perfil de cada investidor, seus objetivos financeiros, tolerância ao risco e horizonte de investimento.

Em outras palavras, para investir no mercado de criptomoedas, é necessário ter consciência da volatilidade e do caráter especulativo que caracteriza esse segmento. Os preços de criptos podem flutuar significativamente em curtos períodos devido a uma variedade de fatores. 

Sendo assim, antes de investir em Ethereum ou qualquer outra criptomoeda, é crucial conduzir uma pesquisa aprofundada, entender os fundamentos do projeto, avaliar os riscos envolvidos, e sobretudo, considerar consultar um assessor financeiro para orientação personalizada.

Lucas Machado

Redator do Melhor Investimento e estudante de Psicologia, com mais de dois anos de experiência em redação de artigos relacionados aos mais variados assuntos e campos do saber.