A produção de óleo equivalente (boe) pela 3R Petroleum nos nove polos operacionais alcançou 51,8 mil barris diários em junho de 2024, marcando um período desafiador e promissor para a empresa no cenário energético nacional. Apesar dos impactos das chuvas no Complexo Potiguar, que resultaram numa queda de 2,8% na produção, o aumento de 1,9% no Recôncavo, impulsionado pela demanda crescente de gás no Polo Rio Ventura, destaca a resiliência operacional da 3R frente às adversidades climáticas regionais.

Um dos pontos altos do relatório trimestral foi o desempenho do campo Papa-Terra, onde a 3R Petroleum, em parceria com o Bradesco BBI, projeta superar os 20 mil boe diários até o final de 2024. Esse crescimento é atribuído às intervenções estratégicas em curso, como melhorias nos sistemas de bombeamento e a finalização das obras no top side do campo, que visam otimizar a produção e garantir um aumento significativo na capacidade operacional.

Olhando para o futuro próximo, analistas do BTG antecipam um incremento na produção do Complexo Potiguar no último trimestre de 2024, impulsionado pela conclusão de importantes projetos de infraestrutura. A implementação de novos geradores de vapor e a expansão do sistema de reinjeção de água são apontados como catalisadores essenciais para o crescimento sustentável da produção da 3R Petroleum, consolidando sua posição no mercado nacional de energia.

Embora tenha enfrentado desafios operacionais significativos nos últimos meses, a 3R Petroleum recebeu uma avaliação positiva do BTG e da Guide Investimentos. Ambos os analistas ressaltaram a importância das próximas campanhas de manutenção e perfuração, que são cruciais para a continuidade e expansão das operações da empresa, bem como para a mitigação de riscos operacionais no setor de óleo e gás.

Em contrapartida, a Enauta reportou uma produção robusta de 157 mil boe em junho de 2024, contribuindo para um total de aproximadamente 1,3 milhão boe no segundo trimestre. No entanto, analistas da Guide Investimentos observaram que a duração da greve do Ibama pode afetar potencialmente o início da produção no novo FPSO Atlanta, destacando a sensibilidade do setor às questões regulatórias e ambientais.

Julia Peres

Redatora do Melhor Investimento.