A PRIO (PRIO3), anteriormente conhecida como PetroRio, apresentou um desempenho financeiro acima das expectativas do mercado, superando o consenso da Bloomberg em termos de lucro líquido e receita. A performance foi impulsionada pelo crescimento na produção e nas vendas da empresa. Em resposta aos resultados, às 16h30, as ações da PRIO registraram um aumento de 3,89%% no índice Ibovespa, tornando-se uma das maiores altas do dia.

De acordo com o relatório divulgado pela PRIO nesta quarta-feira (2), o lucro líquido recorrente atingiu US$ 184,6 milhões, representando um aumento de 32% em relação ao mesmo período do ano anterior. Considerando a norma IFRS 16, o crescimento foi de 25%, totalizando US$ 176,7 milhões.

O EBITDA ajustado, que é uma medida do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, alcançou US$ 333,3 milhões no segundo trimestre de 2023, representando um aumento anual de 24%. A margem EBITDA ajustada também aumentou em 3 pontos percentuais, chegando a 74%.

A receita total da PRIO teve um salto expressivo de 41% em comparação ao mesmo trimestre do ano passado, totalizando US$ 532,5 milhões. Esse crescimento foi impulsionado pelo aumento significativo nos níveis de produção (+174%) e vendas (+114%) da empresa.

O custo de extração (lifting cost) por barril de petróleo teve uma significativa redução, caindo de US$ 11,1 no segundo trimestre de 2022 para US$ 7,40 no mesmo período de 2023.

No entanto, o resultado financeiro líquido da PRIO foi negativo em US$ 63,1 milhões no segundo trimestre de 2023, apresentando um aumento de 77% em relação às perdas financeiras do mesmo período de 2022.

A dívida líquida da companhia registrou um recuo de 8% em comparação com o mesmo período de 2022, totalizando US$ 1,512 bilhão. O indicador de alavancagem financeira, medido pela relação entre dívida líquida e EBITDA ajustado, ficou em 1,1 vez em junho de 2023, um aumento de 1,3 ponto percentual em relação ao mesmo período de 2022.

Avaliação da XP Investimentos sobre a PRIO

Em análise sobre os números da companhia, a XP destacou que vê o resultado da PRIO do 2T23 com bons olhos. Os especialistas mantiveram recomendação de compra, com preço-alvo de R$

“O imposto de exportação de petróleo afetou as receitas em US$ 47 milhões, compensado por um novo recorde de baixa no lifting cost de US$ 7,4/bbl e despesas gerais e administrativas estáveis, mantendo a margem EBITDA em níveis saudáveis (71%). O FCL chegou a US$ 205 milhões, aumentando potencialmente no próximo trimestre, já que os offtakes devem aumentar fortemente em relação ao 2T23″, diz a casa.

“Os próximos passos a serem observados a partir daqui são o aumento nos níveis de eficiência para Albacora Leste, poço MUP3A em Frade retornando à atividade (adicionando potencialmente ~3/4kbbld dia de produção), notícias sobre potencial VOIP para o prospecto “Maracanã” em Frade e o desenvolvimento de Wahoo”, completa.

Segundo a XP, foi outro trimestre sólido para a PRIO, apesar dos ventos contrários do imposto de exportação de petróleo e das vendas mais baixas.

“Ainda vemos muitas opcionalidades para a tese e uma sólida geração de caixa. Mantemos nossa recomendação de compra e consideramos a PRIO nossa top pick no setor”, diz a XP

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.