No segunda-feira (8) a Pague Menos (PGMN3) divulgou um balanço que apresentou um prejuízo líquido ajustado de R$ 45,3 milhões no primeiro trimestre de 2023 (1T23).

Com isso, o resultado ficou abaixo dos R$ 32 milhões de prejuízo projetados por especialistas do mercado para a Pague Menos no 1T23.

Em 2023, até aqui, a Pague Menos registrou um Ebitida ajustado de R$ 54,6 milhões, representando uma queda de 34% em relação aos R$ 83,4 milhões registrados no mesmo período do ano anterior. A Margem EBITDA Ajustada também apresentou uma queda significativa, passando de 3,9% para 1,9%.

Apesar dos números negativos, a receita líquida da empresa apresentou um crescimento considerável, alcançando R$ 2,63 bilhões, o que representa uma alta de 33,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. 

No entanto, o resultado financeiro antes dos tributos sobre o lucro foi negativo em R$ 111 milhões, revertendo o valor positivo de R$ 14,6 milhões registrado no mesmo intervalo de 2022.

A gestão da rede de farmácias afirmou que considera o resultado operacional do trimestre como atípico, devido a eventos concentrados em um período de baixa sazonalidade do ano, que podem ser compensados nos próximos trimestres. A partir do segundo trimestre de 2023, a empresa projeta o início da normalização do ciclo de caixa, com uma redução significativa no PME e o começo de um ciclo de desalavancagem financeira. 

Veja também:

Saques estrangeiros na B3 superam R$ 2 bi no início de maio

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.