A Bunge (BG), uma das principais empresas americanas no setor agroindustrial global, anunciou oficialmente uma fusão com a Viterra (VT), visando criar uma gigante agrícola no mercado mundial. O valor do acordo é estimado em US$ 30 bilhões (equivalente a R$ 145,65 bilhões na cotação atual do dólar).

Para concretizar esse negócio, a Viterra, cuja maior acionista é a Glencore, realizará uma troca de ações e capital com a Bunge. A transação envolve os seguintes termos:

  • A Viterra receberá 65,6 milhões de ações da Bunge, avaliadas em US$ 6,2 bilhões;
  • Além disso, aproximadamente US$ 2 bilhões em dinheiro também serão repassados à empresa;
  • A Bunge assumirá a dívida de US$ 9,8 bilhões da Viterra;
  • A Bunge também recomprará US$ 2 bilhões em suas próprias ações.

O pagamento será dividido em 75% em ações da Bunge e 25% em dinheiro. Inicialmente, a Viterra terá uma participação de 30% na nova empresa, mas essa parcela aumentará para 33% após a recompra de ações da Bunge posteriormente.

Propósito da junção entre Bunge e Viterra

Os CEOs de ambas as empresas manifestaram sua satisfação com a transação e a possível formação de uma nova grande empresa no setor do agronegócio. De acordo com Greg Heckam, CEO da Bunge, essa fusão impulsionará as estratégias da empresa, conectando as principais regiões de produção global às áreas de crescimento rápido do consumo e beneficiando toda a cadeia de produção. Desde os agricultores até os clientes finais, haverá um equilíbrio geográfico e diversidade na origem dos insumos.

Na perspectiva de David Mattiske, CEO da Viterra, a combinação das redes de origem, processamento e distribuição das empresas coloca-as em uma posição para atender à crescente demanda por alimentos, rações e combustíveis. Além disso, Mattiske destaca o papel de liderança que assumirão no futuro da indústria agrícola, trabalhando no desenvolvimento de cadeias de suprimentos rastreáveis e sustentáveis. Dessa forma, juntas, as empresas podem avançar em direção a operações neutras em carbono e estabelecer uma sólida plataforma de crescimento para seus negócios combinados.

A fusão representa a segunda tentativa de acordo entre a Bunge e a Viterra, após a oferta de aquisição de US$ 11 bilhões feita pela Viterra à Bunge em 2017, que foi rejeitada na época. Recentemente, a Viterra expandiu seus negócios nos Estados Unidos com a aquisição da Gavilon por US$ 1,1 bilhão.

Veja também:

Fiagro: o que são e como investir nos fundos do Agronegócio?

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.