Em um movimento estratégico para impulsionar sua presença no setor de bioenergia no Brasil, a gigante energética BP anunciou a aquisição de 50% da Bunge em uma unidade de açúcar e etanol. Com esta parceria, a BP pretende não apenas consolidar sua posição no mercado, mas também explorar novas oportunidades nos biocombustíveis, incluindo etanol avançado, combustível sustentável de aviação (SAF) e biogás.

Aquisição da Fatia da Bunge pela BP

A BP finalizou a aquisição da fatia de 50% da Bunge na unidade de açúcar e etanol no Brasil, marcando um passo significativo em sua estratégia de expansão no setor de bioenergia. Este acordo, avaliado em US$ 1,4 bilhão, permite à BP fortalecer sua presença em um dos mercados mais importantes do mundo para biocombustíveis.

Com essa aquisição, a BP agora detém uma participação majoritária em uma das maiores operações de açúcar e etanol do Brasil, com 11 usinas distribuídas em cinco estados. A capacidade de processamento de cana-de-açúcar da empresa é impressionante, atingindo até 32 milhões de toneladas por safra, tornando-a uma peça central no setor de bioenergia do país.

Foco em projetos-chave de produção de biocombustíveis

A BP está comprometida em impulsionar o crescimento contínuo do seu negócio estratégico de bioenergia, concentrando-se em projetos-chave de produção de biocombustíveis. A empresa destaca sua capacidade de produzir não apenas etanol e açúcar, mas também gerar energia renovável, solidificando sua posição como uma plataforma escalável e com custo vantajoso no setor de bioenergia.

Perspectivas do mercado e investimentos futuros

Olhando para o futuro, a BP vislumbra perspectivas lucrativas no mercado de biocombustíveis, especialmente no uso do etanol como matéria-prima para a produção de SAF. A recente exportação bem-sucedida de etanol de segunda geração pela Raízen evidencia o potencial deste mercado em expansão, com empresas investindo cada vez mais em tecnologias avançadas de produção de biocombustíveis.

Julia Peres

Redatora do Melhor Investimento.