A Alphabet (GOGL34) anunciou a nomeação de Anat Ashkenazi, executiva da Eli Lilly, como sua nova diretora financeira (CFO), substituindo Ruth Porat, que havia informado no ano passado sua intenção de deixar o cargo.

Ashkenazi, de 51 anos, atuou como CFO e vice-presidente executiva da Eli Lilly, onde trabalhou por mais de 23 anos. Ela assumirá o novo cargo em 31 de julho, conforme informado pela Alphabet em um comunicado divulgado na manhã de quarta-feira (5).

Ruth Porat, de 66 anos, ocupava o cargo de CFO do Google desde 2015. Durante seu mandato, ela supervisionou a transição do Google para a estrutura atual da Alphabet e será presidente e diretora de investimentos da empresa. Porat, que foi a CFO com mais tempo de serviço na empresa, trouxe maior disciplina fiscal, supervisionou o crescimento da unidade de computação em nuvem que se tornou lucrativa no ano passado e do YouTube, agora o serviço de streaming mais popular na televisão.

No ano passado, Porat também gerenciou os investimentos da Alphabet na divisão Other Bets, que inclui empresas como a unidade de ciências biológicas Verily e a startup de veículos autônomos Waymo, buscando aumentar a lucratividade dessas iniciativas.

Ashkenazi, que foi CFO da Eli Lilly desde 2021, supervisionou os diretores financeiros dos negócios comerciais, de pesquisa e desenvolvimento, fabricação e qualidade, além de liderar a equipe de planejamento estratégico corporativo e a divisão de transformação de negócios. Durante sua gestão, a Lilly lançou os medicamentos Mounjaro e Zepbound, para diabetes e perda de peso, o que ajudou a empresa a se tornar a farmacêutica mais valiosa do mundo.

A transição de Ashkenazi para a Alphabet é considerada uma decisão estratégica importante. Jared Holz, analista do Mizuho Group, destacou que o cargo de CFO da Alphabet é provavelmente um dos mais cobiçados da América corporativa, apesar do sucesso da Lilly no setor farmacêutico e de consumo.

As ações da Alphabet subiram 1,3% na manhã de hoje (05) em Nova York após o anúncio da nomeação de Anat Ashkenazi como a nova diretora financeira.

Momento crucial para Alphabet

Ashkenazi assume o cargo em um momento crucial para a Alphabet que vale mais de US$ 2 trilhões. A empresa está reorientando suas equipes para se concentrar na inteligência artificial generativa, capaz de responder a perguntas de forma coloquial com base nas instruções dos usuários.

Embora a Alphabet já tenha atendido bilhões de consultas com seus recursos de IA generativa, os custos e o poder computacional necessários são significativos. Ashkenazi terá a tarefa de gerenciar os balanços da empresa enquanto ela continua a investir pesadamente em data centers e competir com outras gigantes da tecnologia por talentos.

Ela trabalhará na área da baía de São Francisco e se reportará diretamente ao CEO da Alphabet, Sundar Pichai.

“Estamos muito satisfeitos por ter encontrado uma CFO tão forte, com um histórico de foco estratégico em investimentos de longo prazo para impulsionar a inovação e o crescimento”, disse Pichai em um comunicado. “A era da IA nos oferece uma oportunidade incrível de inovar em escala nossos produtos principais e de criar novas experiências para nossos usuários e clientes. Estou ansioso para trabalhar com Anat enquanto investimos de forma responsável para apoiar nossa próxima onda de crescimento”, complementou.

Experiência da nova CFO

A experiência de Ashkenazi no setor de saúde pode ser benéfica para a Alphabet, especialmente em um momento de vasto potencial para a IA generativa no campo da saúde, disse Mandeep Singh, analista da Bloomberg Intelligence.

Singh destacou que ela “poderia ajudar a expandir o mercado endereçável da Alphabet e catalisar alguns de seus avanços”, dado seu conhecimento e a disponibilidade de dados de saúde como uma aplicação para IA generativa.

A Alphabet vem tentando revolucionar os cuidados de saúde há anos, com sucesso variado. Recentemente, a empresa anunciou uma série de iniciativas para implementar seus modelos de IA no setor de saúde, incluindo uma ferramenta que ajudará os usuários do Fitbit a obter insights de seus dispositivos vestíveis.

No ano passado, o Google lançou o Med-PaLM, um modelo de IA que respondeu habilmente a questões médicas. Esses anúncios seguiram-se a uma ampla mudança na estratégia da empresa em 2021, quando passou a incorporar pesquisa sobre cuidados de saúde e outras funcionalidades em seus produtos principais, como a pesquisa do Google e o YouTube, em vez de criar novos serviços comerciais.

No entanto, esses esforços levaram a uma diminuição do ímpeto em algumas de suas unidades mais ambiciosas de saúde, como a Verily e a empresa de extensão de vida Calico. Ashkenazi pode desempenhar um papel crucial na redefinição das prioridades desses esforços, que antes recebiam grande destaque.

Gabryella Mendes

Redatora do Melhor Investimento.