O Conselho de Administração da Vivara (VIVA3) aprovou, na última sexta-feira, a eleição de Nelson Kaufman (fundador e principal acionista da empresa) como novo CEO, após a renúncia de Paulo Kruglensky. Kaufman reassume o cargo cerca de 13 anos após deixá-lo.

Segundo relatos do fim de semana, Kaufman retorna à Vivara com o objetivo de expandir a marca internacionalmente. No entanto, sua nomeação gerou conflitos dentro do conselho da empresa e não foi unânime. Isso resultou em uma queda nas ações da VIVA3 no início da sessão desta segunda-feira (18), com os ativos registrando uma queda de 6,02% às 10h22 (horário de Brasília), chegando a cair 8,72% na mínima do dia, a R$28,04.

O JPMorgan, em um relatório divulgado antes da abertura do pregão, indicou que a mudança inesperada na direção executiva provavelmente teria uma reação negativa no preço das ações nesta segunda-feira. Isso ocorre porque a Vivara (VIVA3) tem sido uma das varejistas listadas com melhor desempenho sob a liderança de Kruglensky, o que destaca potenciais conflitos adicionais dentro do grupo controlador e levanta questões sobre governança corporativa.

Nesse cenário, o banco americano sugere que a mudança na liderança indica um possível deslocamento do foco da empresa para a internacionalização, enquanto as estratégias recentes, como a expansão da bandeira Life e a adoção de estratégias omnichannel, têm gerado resultados positivos significativos.

No entanto, é relevante observar que a maioria dos varejistas brasileiros, inclusive os de alto padrão, historicamente enfrentou dificuldades para replicar com sucesso os retornos obtidos no Brasil em outros países.

Os analistas apontam que a Vivara negocia a 14 vezes e 11 vezes o Preço/Lucro para 2024 e 2025, respectivamente. O JPMorgan reiterou sua classificação overweight (exposição acima da média do mercado, equivalente à compra) e estabeleceu um preço-alvo de R$39, mas ressaltou a necessidade de uma “melhor visibilidade sobre as possíveis mudanças de estratégia”.

Gabryella Mendes

Redatora do Melhor Investimento.