Em uma nova edição do programa “Conversa com o Presidente”, transmitido em seu canal oficial no YouTube e pelas redes sociais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enfatizou nesta terça-feira (18) que o Brasil está diante de uma oportunidade histórica de garantir aliados e investimentos no campo do meio ambiente e da transição energética.

Durante a entrevista conduzida pelo jornalista Marcos Uchôa, o presidente declarou que o país tem a chance excepcional de atrair investimentos e espaço para energia renovável, como eólica, solar, biomassa, etanol, biodiesel e, agora, o hidrogênio verde. Segundo Lula, o Brasil não pode desperdiçar essa oportunidade, pois o século XXI será marcado pela verdadeira independência econômica, cultural, social e geopolítica do país.

Diretamente de Bruxelas, capital da Bélgica, onde participa da III Cúpula entre os países da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e da União Europeia, Lula ressaltou a importância da Amazônia para o planeta e a luta contra as mudanças climáticas. Ele defendeu a necessidade de conciliar a preservação da floresta com as demandas das populações locais.

O presidente enfatizou que o Brasil, que já era uma nação importante, torna-se ainda mais relevante diante da transição energética global, já que o mundo está de olho na Amazônia. No entanto, Lula deixou claro que o objetivo não é transformar a Amazônia em um santuário mundial, mas sim explorar cientificamente sua riqueza em biodiversidade para aprimorar a qualidade de vida das pessoas que vivem na região, incluindo indígenas, pescadores, ribeirinhos e extrativistas.

Lula também reforçou a necessidade de ações que mantenham a floresta em pé, enfatizando que isso pode ser mais lucrativo para o Brasil do que sua destruição. Além disso, ele mencionou a existência de mais de 30 milhões de hectares de pastos degradados que podem ser recuperados para atividades agropecuárias.

Apesar de reconhecer o momento favorável para o Brasil no cenário internacional em relação ao meio ambiente, o presidente destacou que muitas promessas feitas pelos líderes globais ainda não foram cumpridas, o que dificulta a implementação das metas estabelecidas nas últimas décadas. Lula ressaltou a importância de cumprir com os compromissos firmados, incluindo a promessa de destinar US$ 100 bilhões anuais para ajudar na preservação do planeta.

Em relação à posição do Brasil no cenário global, Lula argumentou que o país não deve se enxergar como uma nação pobre, mas sim como uma nação rica que precisa tomar decisões e assumir responsabilidades. Ele destacou que é obrigação do Brasil destinar recursos para preservar a Amazônia, mas também ressaltou que outros países pequenos também devem contribuir nesse sentido.

O presidente ainda mencionou que na União Europeia está ganhando força um discurso que defende que os países em desenvolvimento com grandes reservas de minérios e matérias-primas “críticas” devem realizar a transformação desses recursos em seus próprios territórios. Nesse sentido, Lula defendeu que os países europeus ajudem a financiar essa mudança, o que poderia gerar desenvolvimento e empregos para as nações mais pobres.

Veja também:
Green bonds: como investir em títulos sustentáveis?

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.