Está prevista para esta quinta-feira (6) a oficialização do convite do primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, ao Brasil para participar da reunião do G7 – grupo dos sete países mais industrializados do mundo.

O atual G7 é constituído pela Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido. Em 2023, a conferência será realizada em Hiroshima, Japão, de 19 a 21 de maio.

De acordo com alguns interlocutores do Palácio do Planalto, o convite é um testemunho do prestígio internacional do presidente Lula, decorrente do reposicionamento da política externa do Brasil.

Normalmente, o grupo costuma convidar países em destaque, mas que não fazem parte do G7, com o objetivo de ouvir as perspectivas de nações em desenvolvimento sobre a economia mundial.

A última participação do Brasil no G7 foi em 2008, durante o segundo mandato do presidente Lula. A primeira vez do país na reunião ocorreu em 2003, no primeiro ano de governo de Lula. O país também recebeu o convite em 2005 e 2006.

 O assessor especial da Presidência da República, Celso Amorim, se reuniu com o embaixador do Japão no Brasil, Hayashi Teiji, na última quarta (5) para acertar detalhes da participação do Brasil no encontro.

Veja também:

Governador encaminha privatização da Sabesp (SBSP3)

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.