A gigante chinesa Temu chegou oficialmente ao Brasil, e varejistas nacionais e internacionais precisam ficar atentos, pois a expectativa é de que a concorrência no setor aumente ainda mais.

De acordo com um relatório da XP, assinado pelos analistas Danniela Eiger, Gustavo Senday e Laryssa Sumer, o lançamento da plataforma no país representa um risco direto para os marketplaces, enquanto as varejistas de vestuário de média e baixa renda também podem ser impactadas, já que o site oferece uma categoria de vestuário bastante atrativa.

“No entanto, acreditamos que o imposto de importação recentemente aprovado sobre compras internacionais abaixo de US$ 50 deve reduzir a competitividade dos preços nas plataformas internacionais, mas ainda estará longe de fechar a lacuna da carga tributária dos players locais,” afirma o relatório.

Fazendo uma comparação da Temu com concorrentes locais em termos de preço, embora a empresa chinesa ofereça os descontos mais agressivos, seus preços nos SKUs (Unidades de Manutenção de Estoque) mapeados (vestuário, cozinha e eletrônicos) não são necessariamente os mais baixos, com Shopee e Shein liderando em preços em alguns produtos.

Além disso, as empresas que já operam no Brasil contam com prazos de entrega mais rápidos, provavelmente refletindo uma operação de fornecedores locais mais desenvolvida.

“O sortimento atual da plataforma é composto majoritariamente por SKUs internacionais distribuídos em mais de 30 categorias, o que está em linha com nossa visão de que a Temu está se posicionando como um marketplace horizontal, mais próximo do modelo da Shopee, embora com ofertas de vestuário/calçados mais evidentes,” conclui o relatório.

Sobre a Temu

A Temu é um e-commerce chinês fundado em 2022, conhecido por vender uma ampla variedade de produtos, desde roupas até móveis, a preços mais baixos que seus concorrentes. A empresa alcança esses preços ao repassar aos usuários as taxas de postagem dos países onde atua e ao enviar produtos diretamente da China, o que reduz a necessidade de estoques em outros países.

Antes de iniciar suas operações no Brasil, a Temu já estava na lista de empresas certificadas pelo Programa Remessa Conforme (PRC). Esse programa oferecia isenção do imposto de importação para compras de até US$ 50 em empresas habilitadas, aplicando uma taxa de 17% de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

A varejista começou suas vendas no Brasil na quinta-feira (06), oferecendo promoções de até 90% em seu aplicativo para celebrar a inauguração da plataforma.

Gabryella Mendes

Redatora do Melhor Investimento.