Janet Yellen, secretária do Tesouro dos Estados Unidos, está prestes a fazer um alerta crucial sobre o uso da inteligência artificial (IA) nas finanças. Enquanto reconhece os potenciais benefícios da IA, como a redução de custos de transação, ela levanta sérias preocupações sobre os riscos que essa tecnologia pode trazer para a estabilidade financeira global.

Alerta sobre os riscos da Inteligência Artificial em finanças

Yellen pretende destacar os riscos iminentes associados ao uso crescente da IA nas finanças. Ela aponta para a complexidade e opacidade dos modelos de IA, que podem criar vulnerabilidades significativas no sistema financeiro. Além disso, ela ressalta a falta de estruturas adequadas de gerenciamento de riscos para lidar com os desafios específicos apresentados pela IA. Uma das preocupações centrais é a interconexão entre os participantes do mercado, que pode amplificar os impactos negativos de eventuais falhas nos modelos de IA.

Durante sua participação na conferência sobre IA do Conselho de Supervisão da Estabilidade Financeira da Brookings Institution, Yellen enfatiza a importância de abordar os riscos emergentes relacionados à IA. Ela destaca que a transparência e o monitoramento contínuo dos modelos de IA são essenciais para mitigar os riscos e garantir a estabilidade do sistema financeiro global. A secretária do Tesouro dos EUA também enfatiza a necessidade de uma colaboração estreita entre reguladores, instituições financeiras e empresas de tecnologia para enfrentar esses desafios de maneira eficaz.

Reconhecimento dos benefícios da IA

Apesar das preocupações levantadas, Yellen reconhece os benefícios significativos que a IA pode oferecer ao setor financeiro. Ela destaca a automação de serviços de suporte ao cliente, a melhoria da eficiência operacional, a detecção de fraudes e o combate a atividades financeiras ilícitas como áreas onde a IA pode fazer uma diferença positiva. No entanto, ela enfatiza a importância de equilibrar esses benefícios com uma abordagem cuidadosa para mitigar os riscos associados.

Julia Peres

Redatora do Melhor Investimento.