Segundo membros da comitiva do presidente Lula, os acordos assinados pelo Brasil na China, envolvendo os governos federal, estaduais e empresas privadas, podem resultar em investimentos de até R$ 50 bilhões na economia brasileira.

Considerando os acordos assinados na viagem da delegação brasileira à China, incluindo os anunciados na viagem programada para março, na qual Lula originalmente faria a visita ao país, foram firmados um total de 15 acordos pelo governo federal, 7 pelos governos estaduais e cerca de 20 entre empresas.

Um dos acordos firmados envolve a Vale (VALE3) e a China Communications Construction Company (CCCC), a maior empresa de construção civil da China, para avaliar a viabilidade da construção de uma ferrovia no Pará. O projeto, com investimento estimado em R$ 7 bilhões, foi registrado em um memorando de entendimento.

A Suzano S.A celebrou três acordos, dentre eles um com a Cosco para a construção de cinco navios de transporte de celulose. A hidrelétrica de Furnas fechou um acordo com a elétrica chinesa State Grid para um projeto de revitalização de Itaipu. Por fim, a Seara anunciou a aquisição de 280 caminhões elétricos da JAC Motors.

Construção de novo satélite

O Governo Federal anunciou a construção do CBERS-6, o mais recente membro de uma linha de satélites desenvolvidos em parceria entre o Brasil e a China. Com tecnologia avançada, o novo modelo possibilitará o monitoramento da Amazônia mesmo em condições de nuvens.

Segundo o embaixador do Brasil na China, Marcos Galvão, o êxito da viagem pode ser comprovado pelos resultados obtidos. Um dos sinais mais evidentes foi a reunião entre Lula e o presidente chinês Xi Jinping, que se estendeu por um período maior que o previsto. “Ficou evidente a decisão, já concretizada, de elevar as relações entre o Brasil e a China a um novo patamar”, afirmou o embaixador.

Confira na íntegra o comunicado do Governo Brasileiro sobre os acordos firmados

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.