Nesta terça-feira (25), a secretária do Tesouro dos Estados Unidos (EUA), Janet Yellen, alertou que um calote da dívida norte-americana desencadearia uma “catástrofe econômica e financeira”. 

Em declarações durante evento em Washington, a funcionária do governo de Joe Biden enfatizou que um aumento ou suspensão do limite da dívida dos EUA, medida necessária para evitar um default (no mercado financeiro, default significa calote ou moratória.), deve ser concedido “sem condições” pelo Congresso.

Os republicanos da oposição estão exigindo um corte significativo nos gastos públicos para aprovar o aumento do limite de emissão da dívida. Nesta semana, eles pretendem pressionar por uma votação sobre essa questão.

O limite da dívida dos Estados Unidos de US$ 31,4 trilhões foi atingido em janeiro deste ano, levando o Departamento do Tesouro a tomar medidas extraordinárias para continuar financiando as atividades do governo. Na época, a cotação correspondia a cerca de R$ 159,9 trilhões.

Caso o congresso americano não eleve ou suspenda o limite da dívida antes do esgotamento das medidas extraordinárias tomadas pelo Departamento do Tesouro, o governo Biden corre o risco de não honrar suas obrigações de pagamento a partir de julho, e isso poderia ter impactos significativos na economia dos Estados Unidos e do mundo todo.

Efeitos do não pagamento da dívida dos EUA 

“Na minha avaliação, e na dos economistas em geral, um calote em nossa dívida produziria uma catástrofe econômica e financeira”, afirmou Yellen em entrevista.

Yellen também alerta que, caso ocorra o não cumprimento das obrigações de pagamento, haverá aumento nos pagamentos de hipotecas, empréstimos de carros e cartões de crédito, além de possíveis pioras nas condições de crédito para as empresas.

O governo dos EUA também poderá ficar incapaz de fazer pagamentos a milhões de americanos, incluindo aqueles que dependem da previdência social, o que resultaria em uma situação grave para a economia americana e global.

Veja também:
Medidas de Biden já atraíram US$ 200 bi em investimentos nos EUA

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.