No último final de semana, de 19 a 21 de maio, foi realizado o encontro internacional do G7, em Hiroshima, no Japão. O Brasil foi representado no evento pelo presidenteLuiz Inácio Lula da Silva. O G7 reúne líderes das sete maiores economias do mundo, que são: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido.

Lula participou de encontros bilaterais com 11 chefes de governo e entidades. Entre eles, uma discussão com empresários chineses.

G7: novas oportunidades de investimento em tecnologia

Em Hiroshima, Lula se reuniu com importantes empresários japoneses para discutir oportunidades de investimento em tecnologia avançada no Brasil, com foco na transição energética e no desenvolvimento.

De acordo com a presidência, foram identificadas diversas oportunidades de investimento no Brasil. Isso inclui a fabricação de veículos híbridos para o mercado asiático, a produção de hidrogênio verde para a indústria siderúrgica global, o que contribui para a redução das emissões de dióxido de carbono, e o avanço da inteligência artificial (IA) no setor de telecomunicações.

No domingo, dia 21, Lula participou de um encontro com o “Grupo de Notáveis”, nome dado aos líderes de grandes empresas japonesas com investimentos no Brasil. Durante o encontro, o presidente ressaltou a importância de uma parceria entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco do Japão para Cooperação Internacional (JBIC).

Estiveram presentes empresários de renomados grupos japoneses dos setores automotivo (Toyota), de comércio (Mitsui), eletrônico e de comunicações (NEC) e siderúrgico (Nippon Steel), além do JBIC. Recentemente, representantes do JBIC também se reuniram no Brasil com o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin.

O presidente destacou que o diálogo com o grupo continuará e que os planos discutidos na reunião serão implementados. Além disso, o governo brasileiro promoverá novos contatos entre o grupo de notáveis japoneses e empresários brasileiros, com o objetivo de ampliar parcerias e investimentos, conforme divulgado em comunicado oficial pela presidência.

Veja também:
PIB da China supera expectativas e cresce 4,5% no 1T23

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.