Em busca de continuidade operacional nos negócios da empresa, a Eletrobrás (ELET6) nomeou no final da última semana os executivos que irão compor a diretoria nos cargos de vice-presidentes da companhia. 

Segundo a companhia, a seleção foi construída de modo meritocrático, valorizando os profissionais da casa e buscando profissionais externos. 

A nova estrutura da diretoria executiva da Eletrobras (ELET6) visa minimizar o risco de descontinuidade operacional durante o processo de reestruturação, assegurar a dinâmica e disciplina de capital desde a identificação até a implementação de oportunidades e posicionar a Eletrobras como líder na agenda ESG (conjunto de boas práticas que demonstram como a empresa está consciente em relação ao papel em âmbito sociais e ambientais), fortalecendo a visão de Green Major.

Os nomes que ocuparão as vice-presidências são: 

Antônio Varejão de Godoy (Operações e Segurança)
Italo Tadeu de Carvalho Freitas Filho (Engenharia de Expansão)
João Carlos de Abreu Guimarães (Comercialização)
Elio Gil de Meirelles Wolff (Estratégia e Desenvolvimento de Negócios)
Rodrigo Limp Nascimento (Regulação e Relações Institucionais)
Elvira Baracuhy Cavalcanti Presta (Financeira e de Relações com Investidores)
Camila Gualda Sampaio Araujo (Governança Riscos e Conformidade)
Renato Costa Santos Carreira (Suprimentos e Serviços)
José Renato Domingues (Gente, Gestão e Cultura).

Atualização na política de dividendos

A antiga estatal afirmou que, após a desestatização, a empresa adotou o modelo “True Corporation”, que não possui um acionista controlador definido. Algumas empresas, como Gafisa, CVC, Renner, Totvs, BR Malls e Vale, operam sob esse regime.

Nesse modelo, o direito de voto dos acionistas ou grupo de acionistas é limitado aos que possuem pelo menos 10% do total de ações ordinárias. Essa limitação também se aplica às ações preferenciais no caso de adquirirem direito de voto.

Além disso, a atual política de distribuição de dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) prevê que a ação preferencial de classe especial (Golden Share), de propriedade exclusiva da União, confere poder de veto nas deliberações sociais que visem à modificação do Estatuto Social com a finalidade de remover ou modificar a limitação ao exercício do direito de voto e de celebrar acordos de acionistas para esse fim, de acordo com o documento.

Balanço Financeiro Eletrobrás 4T22

De acordo com o balanço financeiro divulgado pela Eletrobras (ELET3) em março, a companhia teve um prejuízo líquido de R$ 479 milhões no acumulado do quarto trimestre de 2022 (4T22).

Consequentemente, o lucro da Eletrobras no acumulado de 2022 foi de R$ 3,6 bilhões, o que representa uma redução de 36% em comparação ao lucro obtido no mesmo período do ano anterior.

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.