O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior anunciou nesta segunda-feira (3) que a balança comercial (índice que mede importações e exportações de mercadorias) teve um saldo positivo de US$ 11 bilhões em março.

O montante representa aumento de 38,4% em relação ao mesmo mês do ano passado, quando o saldo positivo somou US$ 7,61 bilhões. Segundo o Ministério da Economia, o superávit registrado em março também é o maior para todos os meses desde o início da série histórica da balança comercial, em 1989.

 Para o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Herlon Brandão, o superávit está relacionado com a alta nas exportações de soja e de petróleo. 

“Sobe o petróleo, a gente teve uma concentração de desembaraços aduaneiros [liberações nas aduanas] nesse mês [de março], que fez com que os volumes crescessem. A soja, também, a gente tinha informado que o embarque se concentraria mais à frente. Que houve uma queda das exportações em fevereiro, com embarque mais robusto em março”, declarou.

Veja os os principais destaques das exportações em março 

– Soja: totalizando US$ 7,35 bilhões, apresentando um aumento de 8,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

– Óleos brutos de petróleo: alcançando US$ 5,59 bilhões, representando um aumento de 53,8%. 

– Minério de ferro: totalizando US$ 2,36 bilhões, mostrando uma queda de 19,7%. – Farelos de soja: atingindo US$ 1,11 bilhão, com um aumento de 37,3%.

– Carnes e aves: totalizando US$ 902 milhões, com um aumento de 23,1%.

Balança Comercial ao final de 2023

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior prevê um superávit de US$ 84 bilhões na balança comercial deste ano, o que seria um novo recorde na série histórica que teve início em 1989.

No ano passado, o saldo positivo foi de US$ 62,3 bilhões. 

As exportações devem totalizar US$ 325 bilhões em 2023, uma queda de 2,8%, enquanto as importações devem somar US$ 241 bilhões, uma redução de 11,8% em comparação ao ano anterior.

Veja também:

CVM adia início de novas regras para fundos de investimento

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.