O conselho de administração da CSN (CSNA3) aprovou a distribuição aos acionistas de dividendos intermediários, provenientes da reserva de lucros, no valor de R$950 milhões, correspondente a R$0,716389666 por ação.

Conforme anunciado pela empresa, os dividendos da CSN serão pagos até o dia 29 de maio de 2024, e serão calculados e creditados com base nas posições dos acionistas em 14 de maio de 2024. A partir do dia 15 de maio, as ações serão negociadas ex-dividendos.

A CSN também observou que “os dividendos não reclamados no prazo de três anos, a contar da data de início de pagamento, prescreverão, sendo revertidas em favor da companhia”.

Dividendos da CSN (CSNA3)

  • Valor total dos dividendos: R$ 950 milhões;
  • Valor por ação: R$ 0,716389666;
  • Data de corte: 14 de maio de 2024;
  • Data de pagamento: 29 de maio de 2024.

Veja desempenho da CSN no 1T24

No primeiro trimestre de 2024 , a CSN registrou um prejuízo líquido de R$480 milhões, marcando uma queda de 42% em comparação com o prejuízo líquido de R$823 milhões no mesmo período do ano anterior. Esses resultados foram divulgados na última quinta-feira (09).

O desempenho da CSN no 1T24 reverteu o lucro de R$851 milhões registrado no 4T23. Segundo a empresa, a motivação tem como consequência “resultados operacionais menores, principalmente na mineração, além do efeito negativo do câmbio nas despesas financeiras”, explicou.

A receita líquida da CSN no 1T24 totalizou R$9,713 bilhões, representando uma queda de 19% em relação ao 4T23.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da CSN alcançou R$1,966 bilhão, indicando uma queda anual de 39%. Já a margem Ebitda da CSN foi de 19,3%, registrando uma redução de 8,0 pontos percentuais (p.p) em comparação com o mesmo período do ano anterior e uma diminuição de 9,8 pontos percentuais em relação ao trimestre anterior.

Quanto ao resultado financeiro, o resultado foi negativo em R$1,125 bilhão, representando uma alta de 104% em relação ao 4T23. Esse levante foi atribuído ao aumento do custo da dívida em dólar, além do menor impacto verificado nas ações da Usiminas (USIM5).

O lucro bruto no primeiro trimestre de 2024 caiu 40% e foi impactado pelo desempenho operacional mais fraco registrado no período. Esse efeito também se refletiu na margem bruta, que atingiu 22,6%, uma redução de 8,0 pontos percentuais em comparação com o trimestre anterior.

Já o custo dos produtos vendidos da CSN (CPV) totalizou R$7,522 bilhões no 1T24, sendo 10% menor do que no trimestre anterior, reflexo da atividade comercial mais fraca do período.

Por outro lado, as despesas gerais e administrativas da CSN no primeiro trimestre de 2024 totalizaram R$1,405 bilhão, apresentando um aumento de 19,5% em relação ao trimestre anterior.

Gabryella Mendes

Redatora do Melhor Investimento.