Investir em títulos do Tesouro Nacional é uma ótima maneira de diversificar sua carteira com menos riscos. Essas aplicações de renda fixa são práticas, seguras e têm um rendimento muito interessante.

Conheça os diferentes tipos de títulos e confira quanto seus investimentos podem render com nosso Simulador de Tesouro Direto.

O que é Tesouro Direto?

Tesouro Direto é um investimento de renda fixa que consiste em títulos públicos do Tesouro Nacional emitidos pelo Estado para angariar recursos. Trata-se de uma iniciativa criada em parceria com a Bolsa de Valores brasileira, a B3.

Eles funcionam como títulos de dívida. Ou seja: ao adquiri-los, na prática, o investidor está emprestando dinheiro para o governo brasileiro.

Em troca, recebe o valor aplicado, acrescido de juros pelo tempo em que o dinheiro permaneceu aplicado, no vencimento do título. Para investir, basta ter uma conta num banco ou numa corretora.

Quais são os tipos de Tesouro Direto?

Existem vários tipos de títulos do tesouro Direto. Cada um deles tem regras, rentabilidade e prazos próprios. Por isso, é importante conhecê-los e entender a diferença entre eles antes de escolher em qual investir. Confira a seguir.

Selic

Tesouro Selic tem sua rentabilidade atrelada à taxa básica de juros brasileira e tem liquidez diária. Por isso, é uma boa opção para quem quer construir sua reserva de emergência.

Antes de investir, é bom ter em mente que os títulos do Tesouro Selic são pós-fixados. Isso quer dizer que o investidor não sabe exatamente quanto receberá de volta no momento da aplicação, já que a remuneração vai depender da evolução da Selic.

Prefixado

Os títulos prefixados, como o nome sugere, tem sua rentabilidade previamente determinada. Ou seja: ao investir em um deles, o investidor sabe de antemão quanto irá receber na data de vencimento.

Existem dois tipos de títulos prefixados: o Tesouro prefixado convencional, em que a quantia investida somada aos juros é devolvida no vencimento da aplicação, e o Prefixado com juros semestrais, em que os juros são pagos a cada seis meses.

IPCA+

O Tesouro IPCA+ tem remuneração atrelada à variação do IPCA, o principal índice de inflação do país, somada a um prêmio de juros. Ele é considerado um título híbrido, já que parte da rentabilidade é pós-fixada e ligada ao IPCA e outra parte é prefixada no momento da contratação.

Assim como ocorre no Tesouro prefixado, o IPCA+ também pode ter pagamentos na data do vencimento do título ou em forma de juros semestrais.

RendA+

RendA+ é uma das principais novidades do Tesouro Direto. Ele foi criado como uma opção de previdência, voltado para o público que quer complementar sua renda na aposentadoria.

Ele prevê um período de aporte financeiro e outro de recebimento do montante investido, com o acréscimo de juros e com correção pela inflação para não haver perda no poder de compra.

Educa+

Por fim, o Educa+ é voltado especialmente para quem quer investir na educação dos filhos. Trata-se de uma aplicação de longo prazo, com o objetivo de poupar para garantir o custeio da faculdade no futuro. Sua rentabilidade também está atrelada ao IPCA.

Como usar o simulador de Tesouro Direto?

Para saber o quanto suas aplicações vão render no curto, médio e longo prazo, você pode usar nosso simulador de Tesouro Direto.

Fazer a simulação é muito fácil:

  • acesse a página do Simulador de Tesouro Direto;
  • ajuste a barrinha de valor conforme a quantia que você tem disponível para a aplicação;
  • ajuste a barrinha de prazo conforme o tempo em que você pretende reaver o dinheiro;
  • clique em “Acessar simulação”.

O simulador automaticamente vai mostrar o título mais adequado para o seu objetivo, o rendimento em potencial e a comparação com a Caderneta de Poupança. Assim, fica muito mais simples escolher o melhor investimento.

Quer explorar outras aplicações de renda fixa para além dos títulos do Tesouro Direto? Então conheça também o nosso simulador de renda fixa e descubra o rendimento potencial de seus investimentos.

Resumindo

O que é Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um tipo de aplicação de renda fixa. Trata-se de títulos de dívida pública emitidos pelo governo para adquirir recursos.

Ao comprar esses títulos, é como se o investidor emprestasse dinheiro ao Estado para receber, no prazo de vencimento, seu dinheiro acrescido de juros.

Como calcular meu Tesouro Direto?

Os títulos do Tesouro Direto têm rentabilidade anual. Portanto, para fazer uma estimativa do retorno, é preciso dividir a taxa anual por 12. Vale lembrar, porém, que pode haver variações nos títulos prefixados e naqueles atrelados ao IPCA.

Se você quiser calcular de uma forma mais prática, pode utilizar o Simulador do Tesouro Direto do blog Melhor Investimento.