A gigante tecnológica Microsoft (MSFT34) e a empresa de reflorestamento re.green firmaram um acordo histórico. A Microsoft concordou em adquirir 3 milhões de toneladas de créditos de remoção de carbono ao longo de 15 anos da re.green, marcando um passo significativo na luta contra as mudanças climáticas.

Este acordo é parte dos esforços contínuos da Microsoft para combater as mudanças climáticas. Além disso, destaca o potencial do Brasil em abastecer mercados voluntários de carbono, aproveitando suas vastas áreas de terras agrícolas degradadas e clima tropical favorável ao reflorestamento em larga escala.

Detalhes sobre a re.green

A re.green, uma empresa de reflorestamento fundada há dois anos e sediada no Rio de Janeiro, está na vanguarda desse movimento. Com 13.000 hectares de terras disponíveis e planos ambiciosos para adquirir mais 3.000 hectares, a empresa visa reflorestar grandes áreas no Brasil. Seus créditos de carbono são gerados pelo plantio de espécies nativas em terras anteriormente degradadas.

O ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, desempenha um papel fundamental como membro do conselho da re.green. Além disso, a bilionária família Moreira Salles investiu na empresa, destacando o interesse crescente de investidores privados em iniciativas de sustentabilidade.

Desafios e aspectos econômicos

Apesar do crescimento da indústria de compensação de carbono, ela enfrenta desafios, incluindo casos de greenwashing que minam a confiança no Brasil e no exterior. A re.green adota uma abordagem econômica inovadora, planejando a colheita e o replantio de florestas após cerca de 25 anos, o que torna a recuperação de áreas economicamente viável.

Julia Peres

Redatora do Melhor Investimento.