Por Julia Gonzatto

A boa notícia da inflação:

Na semana passada, o Japão abandonou um rótulo que o perseguia por anos: o de ser o último país com taxas de juros negativas do mundo. O anúncio oficial veio pelo Banco Central do país, que comunicou que a taxa de -0,1% finalmente passou para o limiar positivo e agora ocupa o intervalo entre 0% e 0,1%

Apesar de parecer uma mudança pequena, o aumento dos juros simboliza uma transição importante, e o primeiro passo na trajetória do Japão para estimular sua economia. 

Conter o aumento da inflação global, tanto pelas injeções de dinheiro público que a pandemia da COVID-19 incentivou, quanto pelos problemas nas cadeias de suprimento de commodities de vário países, se tornou uma preocupação de governos de todo o mundo nos últimos anos. Mas, enquanto os bancos centrais ao redor do mundo aumentavam seus juros para tentar diminuir a alta dos preços (e o impacto que esse aumento tem no poder de compra das suas populações), o Japão seguiu o caminho contrário. Literalmente falando.

E como andava a economia japonesa?

Para o país do leste asiático, estimular a economia – que já não andava a das melhores, com baixo crescimento e preços sempre em queda – significava aumentar o preços de seus produtos e serviços, para consequentemente, manter suas taxas de juros negativas. E assim, surgiu o cenário de deflação.

Para chegar nesse ponto, a balança entre oferta e demanda precisa estar inclinada para o primeiro dos pontos. Ou seja, o número de produtos à venda precisa ser maior do que o números de pessoas dispostas a comprar – o que resulta em preços mais baixos

A ideia é que a população se sinta mais inclinada a consumir e investir seu dinheiro, ao invés de deixá-lo parado na poupança, onde, ao invés de render os juros, os poupadores são obrigados a pagar o valor das taxas para manter seus fundos.

Mas por que a vontade de aumentar o preço dos produtos?

Por mais que na teoria a ideia de preços mais baixos seja positiva e apelativa para os que consomem, para a economia do país, essa tese não é verdadeira. Se os consumidores entenderem que a tendência é sempre a queda dos preços, os mesmos vão começar a adiar sua intenção de consumo ao máximo, na esperança de conseguir o maior desconto possível. Se amanhã vai estar mais barato, por que se comprometer com a compra hoje? 

Considerando que os japoneses já são uma comunidade de consumidores relutantes, tirar eles da posição de adiar os gastos é mais que importante: se tornou uma necessidade.

De acordo com a CNN, em uma matéria sobre o assunto, o consenso entre economistas estabelece que para alcançar uma economia saudável, o valor dos produtos e serviços não devem cair, mas sim se manter em alta, subindo aproximadamente 2% todo ano.

E como o Japão conseguiu escapar da deflação agora? 

O aumento da inflação surgiu principalmente pelos motivos externos já mencionados. A mão de obra e logística custam mais para o bolso dos fabricantes japoneses, que também precisam lidar com o aumento dos preços das matérias-primas. E esse, não necessariamente, é o melhor dos cenários.

Para o Japão, o ideal seria ver sua inflação aumentar por fatores internos, como os salários mais altos ou o maior índice de consumo. Isso é o que reitera o presidente do Banco do Japão, Kazuo Ueda.

Antes de aumentar as taxas de juros do país, seus planos envolviam também desenvolver o salário dos trabalhadores japoneses para alcançar uma espécie de “ciclo virtuoso”, onde as empresas vão aumentar seus lucros, ter mais dinheiro para pagar seus funcionários e, consequentemente, o poder aquisitivo de sua população vai poder acompanhar o aumento dos preços.

E isso finalmente vem acontecendo. Depois de anos em deflação, os preços no país asiático estão subindo acima da meta “saudável” de 2%, ao mesmo tempo que o PIB (Produto Interno Bruto) também mostra um recente aumento de demanda.

Mas nem tudo são flores. Assim como qualquer mudança, é claro, existem aqueles que se favorecerão e os que sairão no prejuízo. O aumento da taxa básica de juros, por exemplo, vai fazer com que o governo japonês enfrente maiores custos para pagar suas dívidas. Os bancos, porém, vão se beneficiar ao obter mais dinheiro a partir dos empréstimos que concedem.

Os anos de deflação japonesa realmente parecem ter ficado para trás. Mas se isso vai mostrar uma nova trajetória de crescimento econômico sustentável e de longo prazo para o país, ainda vamos descobrir.

Marca Texto

O seu conteúdo não tão óbvio! Conteúdos multidisciplinares sobre mercado, economia e inovação. O universo dos investimentos conectado com o que é assunto nas mídias sociais e ciclos de relacionamento.