Em meio ao complexo universo cripto, a Chainlink (LINK) se destaca como uma plataforma com pretensões de ter maior utilidade para transações ocorridas fora do ambiente blockchain, ou seja, no mundo real.

Atualmente, a plataforma blockchain e seu token nativo “LINK” operam em parceria com grandes corporações do setor tecnológico global, incluindo nomes de renome como o Google e a Web3 Foundation. 

Amplamente descrita como a ponte entre contratos inteligentes e o mundo real, a Chainlink tem atraído a atenção de investidores atentos ao campo das finanças descentralizadas desde sua fundação.

Assim, é pertinente discutirmos em maior detalhe a funcionalidade desta plataforma e seu token. Continue acompanhando para saber mais.

O que é Chainlink?

A Chainlink é uma rede descentralizada que desempenha um papel crucial na interseção entre blockchains e dados do mundo real. Seu nome, “Chainlink”, reflete sua função como uma “ligação entre cadeias”, conectando informações offline com redes de blockchain.

Pode-se dizer que a Chainlink é a ponte responsável por conectar os contratos inteligentes às informações fora da cadeia.  A grosso modo, trata-se de uma infraestrutura que permite que empresas e instituições financeiras utilizem sua rede como um oráculo.

Mas o que é um oráculo? Em termos criptográficos, um oráculo é uma tecnologia que traz dados do mundo real para dentro de uma blockchain. Enquanto as blockchains são excelentes para armazenar e registrar dados, em geral, elas não podem acessar informações externas diretamente. É aí que entra a Chainlink.

Arquitetura da ChainLink

Para melhor compreender o modo de funcionamento da Chainlink, é importante ter em mente a sua arquitetura base. A estrutura da plataforma em dois pilares essenciais: 

  • Infraestrutura On-chain: localizada dentro do blockchain, essa camada garante a imutabilidade e a segurança dos dados armazenados e das transações realizadas.
  • Infraestrutura Off-chain: Essa camada conecta o mundo real aos contratos inteligentes, permitindo a integração de dados externos e a automatização de tarefas com base em informações do dia a dia.

Token LINK

A LINK é a criptomoeda nativa da Chainlink. Na infraestrutura, ela é utilizada, sobretudo, para remunerar os participantes da rede, incentivando a manutenção e operação dos oráculos. 

O modelo econômico da Chainlink incentiva os operadores de nós a melhorar continuamente seus serviços, uma vez que oráculos mais confiáveis e precisos atraem mais solicitações e, consequentemente, mais pagamentos em LINK.

Tecnologia utilizada para esta criptomoeda

Ao discutir a tecnologia empregada pela Chainlink (LINK), enquanto rede descentralizada e criptomoeda, é mais apropriado referirmo-nos a ela no plural. Estamos, afinal, tratando de um conjunto de tecnologias, incluindo oracles e smart contracts. 

Smart contracts – contratos inteligentes 

Para entender com completude o conjunto de tecnologias utilizadas pela chainlink, a primeira etapa é compreender o que são os tais smart contracts. Também muito conhecidos, como contratos inteligentes – em tradução livre para o português – tratam-se de acordos digitais autoexecutórios armazenados em plataformas blockchain. 

Esses acordos viabilizam que duas ou mais partes celebrem um acordo sem a necessidade de intermediários centralizados, como bancos ou demais instituições financeiras. 

Eles são codificados com condições e regras específicas que, quando cumpridas, desencadeiam automaticamente ações predeterminadas. Essa automação elimina a necessidade de intermediários e aumenta a transparência e segurança nas transações.

As principais características dos contratos inteligentes incluem:

  1. Autonomia: Eles funcionam de maneira independente após serem implantados.
  2. Automação: Executam ações automaticamente quando as condições especificadas são atendidas.
  3. Imutabilidade: Uma vez implantados na blockchain, não podem ser alterados.
  4. Transparência: Todas as partes envolvidas podem ver o código do contrato e as transações associadas.
  5. Segurança: A execução dos contratos é garantida pela rede de blockchain, tornando-os altamente seguros contra fraudes.

Contratos inteligentes são amplamente utilizados em diversas aplicações, desde finanças descentralizadas (DeFi) até gestão de cadeias de suprimentos

Oracles – oráculos

A Chainlink permite que blockchains escutem e recebam dados de sistemas off-chain (fora da blockchain). Esta funcionalidade é, justamente, viabilizada pelos chamados oráculos, que operam como “pontes” entre o mundo das blockchains e dados externos.

Em suma, por meio da internet, eles permitem que os contratos inteligentes acessem informações fora da blockchain, como preços de ativos, resultados de eventos esportivos ou dados climáticos.

Para facilitar, vamos a um exemplo prático: imagine que João e Luiza fizeram uma aposta em um jogo esportivo. O contrato inteligente precisa saber o resultado para liberar os fundos para o vencedor. 

Isto ocorre mediante a ação do oráculo, que busca o resultado do jogo fora da blockchain e entrega essa informação de forma segura e confiável. Sem oráculos, os contratos inteligentes seriam limitados a dados internos da blockchain. 

Em outras palavras, eles representam a ferramenta que viabiliza que os contratos reajam a eventos do mundo real, envolvidos em alguma medida com algum ecossistema financeiro ou monetário

Token LINK da Chainlink
Imagem: Divulgação/Coin68

Como funciona o desenvolvimento e comunidade Chainlink

Para melhor compreender o desenvolvimento da rede descentralizada Chainlink, bem como a participação de sua comunidade, primeiro deve-se entender que a Chainlink é caracterizada por uma flexibilidade multiblockchain

Ao invés de possuir sua própria blockchain, a Chainlink atende a diversas necessidades de aplicativos descentralizados (dApps) operando em múltiplas blockchains simultaneamente. 

O protocolo incentiva os participantes a fornecerem e utilizarem dados da Chainlink em seus contratos inteligentes, promovendo uma integração ampla e eficiente. Neste escopo, os oráculos são os agentes que fornecem informações à plataforma. 

Para validar e registrar as transações, a Chainlink utiliza o processo conhecido como Proof-of-Stake, prova de participação, Ele é análogo à famigerada mineração, utilizada pela Bitcoin (BTC). Contudo, tais protocolos de consenso se diferenciam em diversos aspectos. 

O PoS utilizado pela Chainlink, não há mineradores como no Proof-of-Work (PoW) empregado pela Bitcoin. No PoS, o processo de validação e registro das transações é realizado pelos usuários da rede, os quais adquirem participação por meio da compra de tokens.

Resumidamente, os validadores devem bloquear uma quantidade específica da criptomoeda LINK como garantia. Conforme são selecionados, têm a capacidade de criar blocos e receber recompensas em tokens por seu envolvimento no processo.

Principal objetivo da Chainlink

O objetivo da Chainlink é bem evidenciado, e está intimamente atrelado ao seu diferencial. Em suma, a rede tem como principal finalidade ser a interseção entre o mundo real (externo à cadeia) e as diversas blockchains existentes, como a Ethereum. 

Seu papel fundamental é fornecer um meio confiável e seguro para conectar contratos inteligentes com dados e informações externas, que não estão presentes nas blockchains por natureza.

Em outras palavras, a Chainlink funciona como uma rede oracle descentralizada, permitindo que os contratos inteligentes interajam com sistemas externos e obtenham feeds de dados seguros e confiáveis.

Como é o processo para comprar Chainlink (LINKS)

O Token LINK pode ser obtido de diferentes maneiras, inclusive, como recompensas para validadores participantes do Proof-of-Stake. No entanto, a maneira mais tradicional, e considerada mais prática, se desdobra por meio das Exchanges (corretoras de criptomoedas). 

Aliás, para participar do PoS, é necessário adquirir previamente a criptomoeda da rede. Dito isso, para adquirir LINKs por meio das corretoras, basta seguir o guia abaixo: 

  1. Primeiro, você precisa escolher uma exchange que negocie o token Link;
  2. Registre-se na corretora escolhida, fornecendo as informações necessárias e concluindo o processo de verificação;
  3. Deposite fundos na sua conta da corretora. Isso pode ser feito por meio de transferência bancária, cartão de crédito ou outras opções disponíveis na plataforma.
  4. Na corretora, procure pelo Token LINK. Geralmente, você pode usar a barra de pesquisa ou navegar pelas listagens de criptomoedas disponíveis;
  5. Por fim, escolha a quantidade que deseja comprar e execute a ordem de compra.

Após a compra, seus LINKs estarão disponíveis na sua carteira dentro da corretora. Se você planeja manter os tokens a longo prazo, considere transferi-los para uma carteira pessoal (como uma carteira de hardware) para maior segurança.

Lembre-se! É importante tomar precauções de segurança ao lidar com criptomoedas e escolher corretoras confiáveis. Além disso, mantenha-se atualizado sobre as mudanças no mercado e as notícias relacionadas à Chainlink.

Vantagens e desvantagens de investir em Chainlink

Investir em Chainlink (LINK) pode ser uma decisão interessante. No entanto, assim como em qualquer aplicação, é necessário realizar uma análise profunda e embasada

Talvez o primeiro passo para tal, seja analisar alguns prós e contras elencados pela comunidade:

Por que investir em Chainlink?

A Chainlink (LINK) costuma ser descrita como vantajosa nos seguintes pontos: 

  • Possui uma estrutura altamente extensível que permite acesso e disponibilização de uma ampla gama de informações.
  • Agrega valor a outras tecnologias, como Internet das Coisas (IoT) e APIs externas;
  • Seu software é 100% descentralizado e pode ser verificado em todas as etapas de sua operação.
  • Por ser desenvolvida como um middleware, possibilita o acesso a contratos inteligentes, depuração dos mesmos e conexão com sistemas externos.

Quais os pontos de risco para investimentos em Chainlink

As desvantagens que costumam ser atreladas a Chainlink (LINK), estão atreladas aos seguintes aspectos: 

  • Entre os motivos que podem gerar preocupação diz respeito à questão de que protocolo Chainlink não oferece garantias robustas de privacidade para seus usuários
  • Riscos regulatórios: mudanças nas leis e regulações podem afetar negativamente o uso da Chainlink e seu valor.
  • Como todas as criptomoedas, o LINK está sujeito as flutuações de preço significativas. O mercado de criptomoedas é altamente volátil, e os investidores devem estar preparados para a possibilidade de perdas substanciais.

Vale a pena investir hoje em criptomoeda Chainlink?

A Chainlink conquistou a confiança de grandes projetos e empresas com alcance global, solidificando sua posição no mercado. Essa validação se deve, em grande parte, à sua inovadora solução de oráculos. 

Embora apresente uma certa estabilidade, quando comparada a outras altcoins, é importante ressaltar que a volatilidade inerente ao mercado de criptomoedas ainda se aplica a LINK.

Em resumo, a aquisição de LINKs pode ser uma alternativa interessante, entretanto, essa decisão de investimento deve partir de uma pesquisa própria. Este artigo não substitui uma orientação personalizada.  

Portanto, recomenda-se aos investidores em potencial, que avaliem com cautela seu perfil e metas de investimento, antes de qualquer aporte. Este processo fica significativamente mais sólido e embasado, mediante a consulta de um assessor financeiro especializado.

Lucas Machado

Redator do Melhor Investimento e estudante de Psicologia, com mais de dois anos de experiência em redação de artigos relacionados aos mais variados assuntos e campos do saber.