Encontrar uma empresa com potencial de crescimento é o objetivo de muitos investidores. Imagine só, um aporte inicial que em pouco tempo tem o poder de se multiplicar grandiosamente. Esta meta pode ser alcançada através do investimento em startups e, neste cenário, o Brasil se destaca como um horizonte promissor.

O Brasil é o país da América Latina com o maior potencial de unicórnios (com valor de mercado superior a US$ 1 bilhão antes da abertura de capital), segundo um relatório divulgado recentemente pelo Distrito. Das 100 startups latino americanas com maior chance de crescimento, 50 são brasileiras. E, entre as Top 20 da região, 12 são do Brasil. Esse dado reflete a força e o dinamismo do ecossistema de inovação brasileiro, que continua a atrair a atenção de investidores globais.

Entretanto, o cenário de investimentos em startups no Brasil não está livre de desafios. Segundo o relatório, o ano de 2023 foi marcado por maior prudência e reavaliação no mercado, com um aumento significativo dos chamados “down rounds” — quando uma startup capta uma rodada de financiamento com uma avaliação menor que a rodada anterior.

Esse fenômeno levou muitas startups a evitarem novas rodadas de financiamento, aguardando condições mais favoráveis. Por outro lado, os fundos de venture capital, apesar de terem capital disponível, estão menos dispostos a alocar recursos rapidamente.

Diante desse contexto, é crucial que investidores estejam bem informados sobre as startups com maior potencial no mercado, que posteriormente podem se tornar empresas de capital aberto.

Para ajudar nesse processo, elaboramos uma lista das maiores startups do Brasil em 2024. Acompanhe a seguir e descubra quais são as empresas que prometem transformar o mundo dos negócios no país.

Maiores startups brasileiras em 2024

A seguir, você confere a lista das principais startups brasileiras no Brasil em 2024 de acordo com a última captação de recursos

Petlove

  • Fundação: 1999
  • Setor: Mercado Pet
  • Última captação: US$ 145,9 milhões
  • Principais investidores: Monashees, L Catterton e Kaszekt

Origo Energia

  • Fundação: 2010
  • Setor: Energia
  • Última captação: US$ 145 milhões
  • Principais investidores: Mitsui, TPG Art, BLAO, MOV e Augment Infrastructure

Solfácil

  • Fundação: 2018
  • Setor: Energia
  • Última captação: US$ 130 milhões
  • Principais investidores: Valor Capital, QED Investors e Softbank

Evino

  • Fundação: 2013
  • Setor: Alimentação e Bebidas
  • Última captação: US$ 127,2 milhões
  • Principais investidores: Vinci Partners, XP Investimentos e JCR Group

Cora

  • Fundação: 2019
  • Setor: Finanças
  • Última captação: US$ 116 milhões
  • Principais investidores: Ribbit Capital, Kaszek e Greenoaks

Omie

  • Fundação: 2013
  • Setor: Finanças
  • Última captação: US$ 110 milhões
  • Principais investidores: Astella, SoftBank e Riverwood

Pismo

  • Fundação: 2016
  • Setor: Finanças
  • Última captação: US$ 108 milhões
  • Principais investidores: Softbank, Accel e Amazon

Flash

  • Fundação: 2019
  • Setor: Fintech
  • Última captação: US$ 100 milhões
  • Principais investidores: Tiger Global Management, Monashees, Global Founders e Citius

Cerc

  • Fundação: 2015
  • Setor: Finanças
  • Última captação: US$ 100 milhões
  • Principais investidores: Parallax Ventures e Valor Capital Group

Review dos setores dominantes entre as maiores startups brasileiras

O panorama das principais startups brasileiras revela uma diversidade de setores em crescimento, refletindo a capacidade do país em inovar e atrair investimentos em múltiplas áreas.

Abaixo, vamos explorar os setores que se destacam entre as maiores startups brasileiras.

Finanças e Fintech

O setor financeiro é, sem dúvida, um dos mais proeminentes entre as maiores startups do Brasil. Com startups como Omie, Pismo, Cora e Cerc, o mercado de fintechs continua a crescer exponencialmente, oferecendo soluções inovadoras em pagamentos, serviços bancários e gestão financeira. A adoção de novas tecnologias, como as inteligências artificiais e a digitalização de serviços financeiros têm sido os principais motores desse crescimento.

Energia

A busca por fontes de energia sustentável e alternativas tem impulsionado o setor de energia, destacando startups como Origo Energia e Solfácil. Essas empresas estão focadas em soluções de energia solar e renovável, atendendo à crescente demanda por opções mais ecológicas e econômicas. Esse setor não apenas atrai investimentos significativos, mas também contribui para um futuro mais sustentável.

Mercado Pet

O mercado pet é outro setor que se destaca, exemplificado pela Petlove. A crescente demanda por produtos e serviços para animais de estimação tem criado um ambiente fértil para inovações e expansão. Petlove tem capitalizado essa tendência ao oferecer uma vasta gama de produtos.

Alimentação e Bebidas

Startups como Evino mostram como o setor de alimentação e bebidas também está em alta no Brasil. Evino, especializada na venda de vinhos, utiliza tecnologias digitais para melhorar a experiência do cliente e otimizar sua cadeia de suprimentos. Esse setor se beneficia de um mercado consumidor cada vez mais exigente e disposto a pagar por produtos de qualidade e serviços convenientes.

Educação

O setor de educação também está representado entre as maiores startups, com destaque para a Alura. Focada em cursos online e desenvolvimento profissional, a Alura tem atraído investimentos por sua capacidade de oferecer educação acessível e de qualidade em um formato flexível. A demanda por educação continuada e habilidades tecnológicas é um fator crucial para o crescimento desse setor.

Desafios enfrentados pelas maiores startups no Brasil

No último ano, as maiores startups brasileiras enfrentaram desafios significativos no cenário de investimentos. O volume total de aportes em startups aspirantes a unicórnios, cujo valor de mercado ultrapassa US$ 1 bilhão antes da abertura de capital, experimentou uma queda acentuada. Em 2021, essas empresas receberam US$ 9,8 bilhões em investimentos, mas esse número diminuiu para aproximadamente US$ 5 bilhões em 2022, conforme apontado pelo relatório “Corrida de Unicórnios” da Distrito.

Com menos capital disponível em circulação durante as rodadas de investimento, o número de startups brasileiras que alcançaram o status de unicórnio despencou drasticamente no ano passado. Em 2021, dez empresas atingiram essa marca, enquanto em 2022 apenas duas conseguiram: as fintechs Dock e Neon. Ambas alcançaram valor de mercado bilionário após rodadas de captação que totalizaram US$ 300 milhões (R$ 1,56 bilhão) e US$ 110 milhões (R$ 570 milhões), respectivamente.

Perfil dos Fundadores das Maiores Startups do Brasil

Marcio Waldman – PetLove

Márcio Waldman é o fundador da Petlove, uma das maiores plataformas de produtos e serviços para animais de estimação no Brasil. Veterinário de formação, Waldman criou a Petlove em 1999 para atender à crescente demanda por conveniência e qualidade no mercado pet. Sua visão de combinar paixão pelos animais com tecnologia transformou a Petlove em um dos maiores e-commerce do setor na América Latina.

Fabio Carrara – Solfácil

Fabio Carrara é o fundador da Solfácil, uma startup que oferece financiamento e soluções para energia solar residencial e comercial. Carrara é um empreendedor serial com experiência anterior em startups de tecnologia e sustentabilidade. Sua expertise em negócios e inovação posiciona a Solfácil como uma líder emergente no setor de energia renovável.

Ari Gorenstein e Marcos Leal – Evino

  • Ari Gorenstein: Sommelier e especialista em vinhos, Ari trouxe sua paixão e conhecimento sobre vinhos para cofundar a Evino, revolucionando a maneira como os brasileiros compram vinho online.
  • Marcos Leal: Com formação em administração e experiência em marketing digital, Marcos ajudou a estruturar e escalar a Evino, utilizando estratégias de e-commerce para aumentar a base de clientes e o reconhecimento da marca.

Igor Senra e Leonardo Mendes – Cora

  • Igor Senra: Empreendedor com background em finanças e experiência prévia na startup Moip, Igor cofundou a Cora para oferecer soluções financeiras inovadoras para pequenas e médias empresas.
  • Leonardo Mendes: Especialista em tecnologia financeira, Leonardo traz sua experiência em desenvolvimento de produtos financeiros e pagamento digital, ajudando a Cora a se destacar no competitivo mercado de fintechs.

Marcelo Lombardo – Omie

Marcelo Lombardo é o fundador e CEO da Omie, uma plataforma de gestão empresarial voltada para pequenas e médias empresas. Com vasta experiência em desenvolvimento de software e gestão empresarial, Lombardo criou a Omie para simplificar processos administrativos e financeiros, ajudando empresas a crescerem de maneira mais eficiente.

Ricardo Josua, Daniela Binatti, Juliana Motta e Felipe Sasaki – Pismo

  • Ricardo Josua: Líder em tecnologia com experiência em pagamentos digitais, Ricardo é um dos fundadores da Pismo, focando em desenvolver uma infraestrutura moderna para serviços financeiros.
  • Daniela Binatti: Engenheira de software, Daniela contribui com seu profundo conhecimento em tecnologia para a construção de soluções robustas e escaláveis.
  • Juliana Motta: Especialista em operações e gestão de produtos, Juliana garante que as soluções da Pismo atendam às necessidades do mercado financeiro.
  • Felipe Sasaki: Engenheiro de software com expertise em segurança digital, Felipe complementa a equipe com suas habilidades técnicas e visão estratégica.

Jan Christian e Rudy Tarasantchi – Flash

Jan Christian e Rudy Tarasantchi são dois executivos que, após colaborarem no grupo educacional Afya, decidiram unir forças para fundar a Flash. A startup foi criada para resolver um desafio comum encontrado em diversas empresas: a necessidade de uma plataforma de Recursos Humanos com login único, integrando múltiplos sistemas em uma interface simplificada.

Rosangela da Rosa Chamma e Alexandre Chamma – Cerc

Fundadores do Grupo CERC de Ensino, uma instituição educacional que teve suas raízes no Colégio Jarita, iniciado em 1986. Rosangela, inicialmente professora de inglês e biologia, demonstrou um forte compromisso com a educação desde o início, enquanto Alexandre, militar da Marinha do Brasil na época, se juntou ao projeto após estudar pedagogia na primeira metade dos anos 90. Juntos, eles transformaram o Colégio Jarita em uma instituição respeitada no bairro da Vila da Penha, expandindo para o Grupo CERC de Ensino em 1995, oferecendo desde a Educação Infantil até o Ensino Médio em várias unidades na zona Leopoldina do Rio de Janeiro.

Paulo Silveira e Guilherme Silveira – Alura

  • Paulo Silveira: Educador e empreendedor, Paulo cofundou a Alura com a missão de democratizar o acesso à educação de qualidade, oferecendo cursos online em diversas áreas de tecnologia.
  • Guilherme Silveira: Com formação em engenharia de software e experiência em educação, Guilherme complementa a visão estratégica de Paulo, focando no desenvolvimento de conteúdos e plataformas educacionais.

Casos de Sucesso: Startups brasileiras que viraram unicórnios

Nos últimos anos, o Brasil viu o surgimento de diversas startups que não apenas transformaram seus setores, mas também alcançaram o status de unicórnio, um marco significativo no mundo dos negócios. Empresas como C6 Bank, Gympass, iFood, Nubank e QuintoAndar se destacam não apenas por suas inovações tecnológicas, mas também por sua capacidade de escalar rapidamente e conquistar mercados tanto no Brasil quanto internacionalmente.

O C6 Bank revolucionou o setor bancário com uma abordagem centrada no cliente e uma experiência digital sem precedentes, desafiando as instituições tradicionais. Enquanto isso, o Gympass transformou o acesso a atividades físicas ao oferecer uma plataforma que conecta empresas a academias, studios e centros de bem-estar em todo o mundo.

O iFood não apenas dominou o mercado de delivery de alimentos no Brasil, mas também expandiu para outros países da América Latina, oferecendo conveniência e variedade aos consumidores e oportunidades para os restaurantes locais.

O Nubank, talvez o unicórnio mais famoso do país, trouxe uma nova perspectiva ao sistema financeiro, com serviços simplificados, sem taxas abusivas e uma experiência totalmente digital que ressoou com milhões de clientes.

Por fim, o QuintoAndar revolucionou o mercado imobiliário brasileiro ao oferecer um processo de aluguel totalmente digitalizado, tornando mais simples tanto para proprietários quanto para inquilinos encontrar e alugar imóveis.

Essas startups não apenas alcançaram um valuation de mais de um bilhão de dólares, mas também inspiraram uma nova geração de empreendedores no Brasil e além, mostrando que inovação, determinação e um profundo entendimento das necessidades do consumidor são ingredientes essenciais para o sucesso no cenário global atual.

O futuro das startups no Brasil: O que esperar em 2025

As expectativas para o futuro das startups no Brasil são promissoras, especialmente considerando o atual dinamismo e a capacidade de inovação presentes no ecossistema de empreendedorismo do país. Com a recuperação econômica global pós-pandemia e a crescente digitalização de serviços, espera-se que as startups brasileiras continuem a atrair investimentos significativos, tanto de capital nacional quanto internacional.

Em 2025, é provável que vejamos um aumento no número de unicórnios brasileiros, impulsionados por setores como fintech, energia sustentável, e-commerce e educação.

Pedro Gomes

Jornalista e Redator do Melhor Investimento.