O Produto Interno Bruto (PIB) é a principal ferramenta para que o desempenho econômico de um país seja avaliado. Podemos dizer que é como um termômetro, que mede indicadores financeiros, como: crescimento, tamanho e saúde da economia de uma nação.

Neste artigo, exploraremos essa questão em detalhes, mostrando as principais características dessa métrica fundamental e discutindo seu papel na análise econômica. Continue a leitura!

O que é e para que serve o PIB?

Como citamos anteriormente, o PIB é o valor de mercado de todos os bens e serviços produzidos em um país durante um determinado período, normalmente um ano.

Essa é a explicação mais básica, porém, por trás desse número aparentemente direto, existem pontos significativos que revelam muito sobre a saúde econômica de um determinado país. 

Afinal de contas, o crescimento ou redução do PIB podem indicar se uma nação está prosperando ou lidando com dificuldades.

Outro ponto importante é que ele pode oferecer dados que contribuem na hora de definir como será feita a distribuição de renda, por exemplo. Além disso, outras questões levam esse índice em consideração, como: qualidade de vida, níveis de consumo e investimentos, entre outros.

Em resumo, o PIB tem um grande impacto nas políticas governamentais que envolvem a economia. Contudo, é essencial entender que ele por si só não é capaz de definir todos os aspectos sociais e econômicos de um lugar.

Nos próximos tópicos, abordaremos outras questões importantes, como sobre o que é o PIB per capita e como esse indicador pode ser interpretado na avaliação do estado da economia nacional.

O que é o PIB per capita?

Outro ponto importante para entender mais sobre o PIB é saber que há um componente extra nesse índice: o PIB per capita. Seu papel é apresentar uma visão mais ampla e precisa no nível da vida da população de um país.

Essa é uma métrica que representa a média de renda ou o quanto uma determinada pessoa produz economicamente em um país. Basicamente, seria como dividir o PIB inteiro de uma nação pelo número de habitantes. 

O resultado obtido é o PIB per capita, que mostra o poder médio de compra de cada um dos indivíduos.

Para entender melhor, o cálculo é o seguinte: pega-se o valor total do PIB de um país em um ano inteiro, divididos esse número pela quantidade de habitantes existentes nesse mesmo período. Assim, a quantia obtida é a renda média de cada cidadão, se houvesse igualdade entre todos de uma mesma região.

Esse índice é fundamental porque vai além do tamanho da economia, pois nos dá uma visão mais ampla de como está a qualidade de vida das pessoas em um país. 

Ele permite comparar o bem-estar econômico entre diferentes nações e ao longo do tempo, identificando disparidades econômicas e progresso social de cada lugar.

Qual a diferença entre PIB Nominal e PIB Real?

Agora que sabemos um pouco mais sobre o que é o PIB e a importância do per capita, é importante ter mais informações sobre outros termos muito importantes: PIB Nominal e PIB Real. Ambos se referem ao Produto Interno Bruto, entretanto contam com abordagens diferentes, que explicaremos mais a seguir:

PIB Nominal

Esse é o PIB que mede o valor de mercado de todos os bens e serviços produzidos por uma determinada nação em um ano. Sua expressão é feita por meio de termos monetários correntes, não contando com ajustes para a inflação.

Em resumo, o nominal reflete o valor de produção de um país baseando-se nos preços atualizados dos produtos e serviços.

PIB Real

O PIB Real é justamente o contraponto do PIB Nominal, pois nesse caso a medida é ajustada pela inflação. Esse indicador considera as alterações dos preços ao longo do tempo, desconsiderando o efeito da inflação ou deflação.

A ideia é permitir uma análise de crescimento econômico real, deixando de lado os aumentos e quedas de preços nos produtos e serviços. 

Dessa forma, o PIB Real é calculado com os valores de um determinado ano-base como referência, assim, as oscilações desse período são ajustadas na conta final.

No fim das contas, a diferença entre esses dois indicadores é imprescindível para podermos compreender como a economia de um país está funcionando. Isso porque o Nominal pode ter um aumento por conta da inflação, mas não necessariamente significa que a nação está conseguindo crescer. 

Em contrapartida, o Real consegue oferecer uma imagem mais real a respeito do crescimento econômico, já que não conta com as variações do mercado.

Como o PIB é calculado?

Já conseguimos destrinchar o que é o PIB e suas variações, mas agora é preciso saber como é realizado seu cálculo.

Basicamente, são somados os valores de mercado dos bens e serviços produzidos por um país em um ano. Na segunda etapa, a conta pode ser feita de três maneiras distintas, veja:

  • Método da produção: é somado o valor agregado de todos os setores da economia, podendo ser da agricultura, serviços ou indústria;
  • Método da renda: é somado o valor da renda gerada por todos os fatores que integram uma produção, como o trabalho, a terra e o capital;
  • Método da despesa: é somado o valor pelos consumidores, empresas e governo em bens e/ou serviços.

O que o PIB diz sobre a economia de um país?

Como já falado em tópicos anteriores, o Produto Interno Bruto (PIB) é o principal índice utilizado na hora de entendermos um pouco mais sobre o estado econômico de uma nação. 

Mas é preciso ter uma análise mais profunda sobre esses números para realmente compreender o cenário todo. Veja os principais aspectos:

Monitorar a economia

Um dos pontos principais do PIB é permitir que a saúde econômica de um país seja acompanhada com cuidado. Afinal de contas, a queda ou crescimento desse índice pode mostrar como o mercado tem se comportado.

Orientar políticas monetária

Quando o PIB entra em queda, o governo precisa agir para estimular a economia. Isso pode ocorrer por meio de novas políticas, que envolvem a diminuição dos tributos e um aumento no orçamento público.

Conhecer o bem-estar social

Quando o PIB cresce, teoricamente, pode ocorrer um aumento na renda média dos cidadãos, melhorando assim o padrão de vida da população de um país.

Desenvolvimento econômico

Outro fator muito importante ao observar o PIB é que ele pode ser usado como um indicador para o governo fazer um planejamento para os anos seguintes, criando políticas públicas.

Atrair investimentos

Investidores estrangeiros costumam escolher nações que tenham uma economia forte ou que estejam pelo menos com boa perspectiva de crescimento, seja a médio ou longo prazo.

Quais os benefícios de ter um bom PIB?

Contar com um bom Produto Interno Bruto (PIB) robusto é um dos principais objetivos dos países. Isso acontece porque contar com um número positivo, faz com que diversos benefícios impactam a qualidade de vida das pessoas. Por isso, veja quais são os pontos positivos de ter um bom PIB.

Geração de empregos

Um mercado de trabalho mais robusto é uma das consequências de um PIB crescente. Isso porque as empresas tendem a expandir e contratar mais funcionários quando a economia está em progresso, diminuindo o desemprego e aumentando as oportunidades de trabalho.

Aumento da renda média

As pessoas passam a ter mais dinheiro disponível para gastar comprando produtos ou contratando serviços quando o PIB está mais sólido. Isso faz com que o padrão de vida da população e o bem-estar financeiro sejam positivos.

Mais investimentos em Infraestrutura e serviços públicos

Outra vantagem de ter um PIB saudável é que o governo passa a ter mais recursos para aplicar em infraestrutura, como, por exemplo: construção de hospitais e escolas, melhoria nos serviços públicos, entre outras. Isso faz com que a população tenha um maior acesso aos serviços básicos e essenciais.

Estabilidade econômica

Quando o Produto Interno Bruto está forte, fica mais fácil para uma nação manter a estabilidade econômica. Assim, as crises financeiras e recessões chegam de forma mais amena, fazendo com que o país tenha mais credibilidade e um ambiente seguro para os investidores.

Chegada de mais investimentos estrangeiros

Países com economia robusta são considerados mais atrativos para os investidores estrangeiros. Dessa forma, investimentos podem chegar em diversos setores, aumentando a oferta de empregos e trazendo rotatividade para a economia local.

Diminuição da pobreza e desigualdade

Bons resultados podem contribuir para a redução da pobreza, fornecendo recursos para programas sociais e políticas de inclusão social. Isso ajuda a diminuir a desigualdade de renda e melhorar a distribuição de riqueza.

Melhor resposta às crises

Quando as crises surgem, como pandemias ou desastres naturais, um PIB saudável dá ao governo a capacidade financeira de responder de maneira eficaz, fornecendo assistência à população afetada e estimulando a recuperação ao longo do tempo.

Qualidade de vida

Um PIB positivo traz mais qualidade de vida às pessoas, que passam a ter acesso aos serviços públicos de qualidade, mais ofertas de emprego e mais poder de compra.

Histórico do PIB no Brasil

Na totalidade, a economia da América Latina pode ser considerada complexa, uma vez que passa por diversas variações do mercado, inclusive no Brasil. O PIB brasileiro tem momentos que precisam ser destacados, por isso, veja um pouco mais sobre isso:

No início do século XX, o Brasil era um país predominantemente agrário, fazendo com que seu PIB fosse impulsionado pela produção de café, além de outras commodities. Depois, a partir dos anos 1930, um processo de industrialização chegou, trazendo algumas mudanças.

Já na década de 1950, um crescimento considerável chamou a atenção, principalmente no que diz respeito ao setor automobilístico de construção civil.

Nas duas décadas seguintes, os brasileiros puderam acompanhar o chamado “Milagre Econômico”, caracterizado por altas taxas de crescimento do PIB, impulsionadas por investimentos em infraestrutura. 

Entretanto, essa época coincidiu com o regime militar, que restringe liberdades políticas. Dessa forma, os altos índices de crescimento mascararam desigualdades e problemas sociais crescentes.

Já nas décadas de 1980 e 1990, grandes crises econômicas assolaram o Brasil, tudo isso com uma inflação acima do normal e com uma grande instabilidade política. Ainda em 1994, o Plano Real entrou em vigor, trazendo mais estabilidade e permitindo que o país tivesse um grande crescimento econômico, lembrado até os dias atuais.

Chegando nos anos 2000, lembramos que o país passou pela fase de boom das commodities, com altos preços de produtos como soja e minério de ferro, trazendo um grande impulsionamento ao PIB brasileiro.

Além disso, o país também passou a investir em programas sociais, reduzindo a pobreza e ampliando o poder financeiro da classe média.

Na década de 2010, o Brasil voltou a enfrentar desafios, incluindo uma recessão econômica, além de instabilidade política. Com isso, o PIB passou por uma contração de alguns anos, fazendo com que o país passasse por dificuldades econômicas.

Nos últimos anos, o mundo enfrentou a pandemia de Covid-19, que acabou trazendo diversos problemas financeiros para muitos países, inclusive para o Brasil, um dos mais atingidos pela doença.

Em 2022, com a pandemia já controlada, o IBGE divulgou que o PIB brasileiro cresceu 2,9%, com o valor de R$ 9,9 trilhões. Esse percentual é o acumulado de quatro trimestres em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em resumo, o histórico do PIB do Brasil reforça uma jornada que passa por altos e baixos, com momentos muito complexos da nossa economia. Isso mostra que o país conta com muitos desafios, mas também tem um enorme potencial para buscar um crescimento maior e um desenvolvimento sustentável.

Gostou desse conteúdo? Para saber mais sobre esse tema, leia nosso artigo sobre a relação do PIB brasileiro com os seus investimentos.

Resumindo

O que o PIB representa sobre a economia de um país?

O Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de toda a produção de bens e serviços de um país, no período de doze meses. Os valores considerados são aqueles pagos pelo consumidor final, contando com todos os tributos incidentes na compra.

O que o PIB influencia na economia?

O principal objetivo do PIB é mensurar a economia de um país. Isso é feito por meio de cálculos que consideram a oferta e a demanda de bens e serviços. Assim, podemos afirmar que o PIB é um indicador de como está a saúde econômica de uma nação.

Quando o PIB aumenta é bom ou ruim?

Quando o PIB apresenta um crescimento, prova que a economia do país está indo bem, fazendo com que as taxas de desemprego reduzam, as ofertas de investimentos sejam maiores, além de outros benefícios. Já quando o resultado é negativo, mostra que a economia do país está em crise e precisa ser acompanhada de perto.

Equipe MI

Equipe de redatores do portal Melhor Investimento.