Por Juliana Magano

Privilégio ou Especialização?

Você já ouviu falar em “Nepo Baby ou Nepotism Baby”? Enquanto o termo nepotismo utilizado para designar o favorecimento de parentes em detrimento de pessoas mais qualificadas, a expressão se refere, principalmente, aos filhos de celebridades ou pessoas influentes que seguem carreiras similares aos pais e são, ou aparentam ser, favorecidos por isso. 

Apesar de ter se popularizado no mundo das celebridades, os Nepo Babies estão por todo lugar, o que vem levantando diversas criticas sobre como isso afeta o mercado de trabalho e a economia. 

De olho nos dados

O centro de pesquisa em ciências sociais  focado em desigualdade de acesso ao trabalho nos Estados Unidos, incorporado à Universidade de Harvard, realizou uma pesquisa focada nesse assunto. O resultado aponta que 30% dos americanos serão contratados pelos pais em algum momento até os 30 anos. Além disso, seus salários são 19% superiores à média de seus pares em início de carreira.

Vale ressaltar que a amostra do levantamento exclui o 1% mais rico da população, eliminando a distorção que poderia ser causada pelos Nepo Babies da elite cultural ou financeira.  Além deles, os 10% mais pobres também ficaram de fora, uma vez que a base utilizada, um dataset com informações sobre 26 milhões de americanos gerado pelo US Census Bureau (IBGE americano), não possui todos os registros do trabalho ou outras fontes de renda informais.

Mas, nepotismo não é crime?

O Nepotismo como conhecemos é, sim, considerado crime no Brasil. Ele ocorre quando um agente público usa de sua posição de poder para nomear, contratar ou favorecer um ou mais parentes. Mas, aqui estamos ilustrando um fenômeno da classe média, onde os pais geralmente são funcionários que recomendam seus filhos aos patrões ou são pequenos empreendedores que recebem ajuda em um negócio familiar.

Quanto mais dinheiro os pais possuem, maiores as chances dos filhos trabalharem para as empresas da família ou na mesma empresa que os pais. De acordo com a pesquisa, também é possível identificar um recorte de gênero. As filhas possuem duas vezes mais chances de serem contratadas pelos negócios de suas mães, enquanto os filhos têm 1,5 mais chances de trabalharem com os pais.

Privilégio ou Especialização dos nepo babies?

A discussão sobre os privilégios começou ao se perceber que muitos filhos de celebridades alcançam o desejado lugar de destaque em uma velocidade impressionante. Porém, esquece-se que essas crianças nasceram nos meios artísticos e possuem contato com a profissão dos pais desde muito jovens. Não seria natural que seguissem os mesmos caminhos? Por exemplo, há como dizer que Fernanda Torres é menos brilhante por ser filha da Montenegro ou Miley Cyrus por ser filha do cantor Billy Rey Cyrus ou Nicolas Cage ser sobrinho do diretor Francis Ford Coppola?

A atriz Gwyneth Paltrow, conhecida por seus papeis em “O amor é cego”, “Homem de Ferro”, “Shakespeare Apaixonado” e muitos outros, defendeu a questão. Em entrevista para à revista Bustle, no final de 2023, a atriz pontua: “Não há nada de errado em fazer ou querer fazer o que seus pais fazem. Ninguém critica uma criança que diz ‘Quero ser médico como meu pai e meu avô’”.

Essa é uma questão ampla e que conta com variáveis singulares, que podem levar para extremos. Por isso, queremos saber a sua opinião sobre esse debate.

Marca Texto

O seu conteúdo não tão óbvio! Conteúdos multidisciplinares sobre mercado, economia e inovação. O universo dos investimentos conectado com o que é assunto nas mídias sociais e ciclos de relacionamento.